Teorema de Michelson, o pensador…

1. Primeiro, Mestre Michelson, porque você usa óculos e, obviamente, não deve enxergar direito.

2. Porque a largura do Rio da Prata pode chegar a 220 quilômetros e é provável que desse ponto onde esteve até a outra margem a distância esteja acima de 50 quilômetros, diferente do que você diz no vídeo.

3. Para tentar enxergar a outra margem, você deveria ter usado o zoom de uma máquina digital com boa resolução e capacidade de aproximação.

4. Também serviria um bom binóculo ou luneta  que corrigissem sua dificuldade visual e as distorções de ótica provocadas pela atmosfera e o ponto de vista do observador.

5. Se a distância fosse de apenas 50 quilômetros e você enxergasse bem à noite, e se a cidade do outro lado estivesse iluminada com suas luzes acesas, dependendo das condições atmosféricas, você poderia enxergar o outro lado do Rio da Prata mesmo a olho nu, pois a Terra é plana.

6. Informações de agências de viagens garantem, porém, que entre Colônia del Sacramento, no Uruguai, e Buenos Aires. a distância é de 55 quilômetros e que em dias claros é possível enxergar a capital argentina do outro lado do Rio da Prata sem que seja necessário subir ao antigo farol ou às ruínas das muralhas existentes no local.

7. O fato de ter tentado ainda que sem usar o zoom da máquina, já nos alegra, pois indica que começou a admitir essa possibilidade e já não está tão longe da verdade.

O médico Antônio Pozzer, de Porto Alegre, RS, informa no texto “Seu Olhar: Colônia de Sacramento, uma pérola uruguaia no Rio da Prata”, publicado pelo jornal Zero Hora, que “em dias claros, pode-se ver Buenos Aires do outro lado do Rio da Prata.”

Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/viagem/noticia/2016/07/colonia-de-sacramento-uma-perola-uruguaia-no-rio-da-prata-6878071.html

Veja também estes vídeos gravados desde a margem oposta do Rio da Prata, do ponto de vista de quem olha de Colônia del Sacramento para Buenos Aires e consegue enxergar os prédios da capital da Argentina a 55 km de distância:

Veja também esta outra resposta em vídeo:

3 respostas para “Teorema de Michelson, o pensador…”

  1. Sugiro ao administrador do site ir até lá e do mesmo ponto onde Michelson fez sua observação, tirar uma foto ou fazer uma filmagem da referida margem do rio com os equipamentos descritos neste poste, provando assim a falta de visão e ignorância do blogueiro adventista. Será que consegue?

    1. Se não tivesse escrúpulos e aceitasse continuar sendo sustentado por dinheiro extorquido em nome de Deus de pobres irmãos enganados pela falsa doutrina da obrigatoriedade atual do dízimo, talvez estivesse em condição financeira de fazer o que sugere. Contudo, nossa resposta se baseia em dados que podem ser comprovados numa rápida busca em livros de uma boa biblioteca ou aqui mesmo na internet. Quem deveria haver tentado o zoom com sua câmera seria o próprio Michelson caso pretendesse mesmo saber a verdade.

      O médico Antônio Pozzer, de Porto Alegre, RS, informa no texto “Seu Olhar: Colônia de Sacramento, uma pérola uruguaia no Rio da Prata”, publicado pelo jornal Zero Hora, que “em dias claros, pode-se ver Buenos Aires do outro lado do Rio da Prata.”

      Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/viagem/noticia/2016/07/colonia-de-sacramento-uma-perola-uruguaia-no-rio-da-prata-6878071.html

      Veja também estes vídeos gravados desde a margem oposta do Rio da Prata, do ponto de vista de quem olha de Colônia del Sacramento para Buenos Aires e consegue enxergar os prédios da capital da Argentina a 55 km de distância:

      https://www.youtube.com/watch?v=2kPOsjVOSPg

      https://youtu.be/CRYSfXkB6-I?t=4m12s

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *