Dicionários e comentários bíblicos confirmam a concepção do Universo em três camadas

Robyn Banks (Traduzido pelo Google Translate)

Para os hebreus que escreveram a Bíblia, o universo compreendia:

1. Uma cúpula sólida do Céu acima da Terra, e repousando sobre a Terra no “círculo” do horizonte,
2. Uma Terra plana e
3. As águas do abismo e do Sheol abaixo.

Concepção Bíblica do Mundo:

1. Águas acima do firmamento
2. Depósitos da neve
3. Depósitos granizo
4. Câmaras de ventos
5. Firmamento
6. Comportas / janelas do céu
7. Pilares do céu
8. Pilares da terra
9. Fontes do abismo
10. Umbigo da terra
11. Águas sob a terra
12. Rios do mundo inferior

Os principais comentários bíblicos e dicionários bíblicos estão em acordo. Apenas obras apologéticas é que tentam defender os escritores bíblicos como tendo o mesmo conhecimento sobre o Universo como temos hoje.

Achtemeier, Paul J (Ed) O HarperCollins Bible Dictionary (Nova Iorque: HarperCollins, 1996):

“O universo hebraico. Os antigos hebreus imaginavam o mundo como plano e redondo, coberto pela grande cúpula do firmamento que era sustentado por pilares de montanha (Jó 26.11; 37.18). Acima do firmamento e debaixo da terra havia água, dividida por Deus na criação (Gn 1,6,7; cf. Salmo 24,2; 148,4). As águas superiores foram unidas com as águas das profundezas primordiais durante o Dilúvio; Acreditava-se que as chuvas caíssem através das janelas do firmamento (Gn 7.11; 8.2). O sol, a lua e as estrelas atravessaram ou foram fixados no firmamento (Gn 1.14-19; Sl 19.4, 6). Dentro da terra estava o Seol, o reino dos mortos (Nm 16,30-33; Isa 14.9, 15).”(P339)

Firmament

– “O termo hebraico raqia” sugere uma folha fina de metal batido (cf. Êx 39.3; Nm 17.3; Je 10.9; também Jó 37.18)… Jó 26.13 retrata a respiração de Deus como a força que se acalmou (ou “espalhou”, “suavizou”) os ceús. Os luminares foram colocados no firmamento no quarto dia da criação (Gn 1.14-19). Acreditava-se que as chuvas caíssem através de comportas ou janelas em sua superfície (cf. Gn 7.11). ”(Pp. 338-339)

Freedman, David Noel (Ed) Dicionário Eerdman da Bíblia (Grand Rapids: Eerdmans, 2000):

“Firmamento – Um lençol fino, semelhante a um pedaço de metal batido, que se estendia de horizonte a horizonte para formar a abóbada do céu. Na cosmologia hebraica, o universo consistia em três partes: as águas acima, a terra abaixo e as águas abaixo da terra (cf. Êx.20.4). Jó 37.18 descreve Deus espalhando os céus e tornando-os “tão duros quanto um espelho de bronze fundido” (cf LXX stereoma, sugerindo uma tigela em relevo ou martelada).

O firmamento (Heb raqia; Lat firmamentum) serve para separar as águas acima das águas abaixo (Gn 1.6-8), sua principal função é evitar que as águas acima desabem sobre a terra abaixo e inundem o mundo. No entanto, pequenos furos no firmamento permitiram a liberação ocasional de água sob a forma de chuva (Gn 1.14-18). Na visão da carruagem de Ezequiel, o firmamento aparece como uma extensão sobre as cabeças das criaturas que pareciam gelo cintilante; acima do firmamento está um trono de safira. (Ez 1,22-26). ”(P. 61-462)

Myers, Allen C (Ed) O Dicionário Bíblico Eerdmans (Grand Rapids: Eerdmans, 1987):

“Cosmologia hebraica. Para os antigos hebreus, a terra era o centro do universo. Acima estava o céu e os céus, e abaixo dele estava o Mundo Inferior, ou o Sheol, e as águas (por exemplo, Êx 20.4; Sl 24.2; 136.6). (Embora às vezes os hebreus citassem apenas o céu e a terra como compondo o universo (por exemplo, Sl 124.8), na verdade eles sustentavam esse conceito tripartido (por exemplo, Fp 2.10) .A terra, com Canaã no centro (Sl 74.12), Acreditava-se que fosse uma massa de terra (cf ‘os confins da terra’ (Sl 65.5) ou seus ‘quatro cantos’ (Is 11.12)) cercada por um oceano, repousando sobre pilares (1 Sm 2.8; Jó 9.6; 75.3) ou em fundações firmes (Sl 104.5; mas Jó 26.7). ”(P. 298)

“Firmamento. (Heb raqia; Vulg Lat firmamentum, da LXX Gk stereoma ‘foundation’). A extensão do céu ou céu (Gen 1.8) separando a água abaixo (rios, mares, águas subterrâneas) das águas acima (precipitação). Na antiga cosmogonia israelita, o firmamento pode ter sido visto como uma cúpula ou cortina (cf. Sl 104.2) de metal batido (cf. Hebreus, venceu; Jó 37.18), do qual foram suspensas as estrelas e os planetas (Gn 1.14-17). A chuva e outras bênçãos celestes poderiam cair sobre a terra através das janelas do firmamento (7.11; 2 Reis 7.2; Sal 78.23-24). ”(P. 383)

“Desde tempos imemoriais, os povos antigos devem ter consciência de que a água existia acima e abaixo da terra. Descendia de cima sob a forma de chuva e podia ser obtida, se alguém estivesse disposto a cavar fundo o suficiente, das profundezas da terra. Ele desceu de cima da terra. Em muitas sociedades antigas do Oriente Próximo, esse aparente paradoxo foi explicado pela história da batalha primordial entre o deus-herói e o dragão do caos. Na versão babilônica, o vitorioso Marduk divide o corpo da fêmea Tiamat. Então ele cria a terra a partir de seu corpo, colocando a terra no ventre do caos abaixo das águas do céu e acima das águas profundas (cf. Hah ‘o mar profundo, oceano’; Akk tiamtu ‘Tiamat’).

O Antigo Testamento reconhece essa compreensão básica do universo, ou cosmogonia, mas modifica-o à luz do monoteísmo israelita – o relato da criação, Gn 1.1-10; a conta de inundação, 7,11; cf Êx 20,4; Deut 4,18; 2 Sm 22,14-17; Jó 26,5-13; Sl 104.3-6; 136,6; 148,4-7; Jr 10.11-13; Amós 9,5-6; jonas 2,2-6). Assim as ‘águas do céu’, ou águas cósmicas, são as águas acima da terra retidas pelo firmamento. A chuva cai quando Deus abre as comportas do firmamento (Gn 7.11; 8.2; RSV ‘janelas’). O céu é azul (a cor do oceano) porque as águas podem ser vistas através do firmamento de cristal transparente (cf. Ezequiel 1.26, que retrata Deus sentado acima do firmamento em um trono da cor do lápis-lazúli – azul ou turquesa). a cor da água profunda e do céu. ”(pp1046-1047)

Freedman, David Noel (Ed) O Anchor Bible Dictionary (Nova York: Doubleday, 1992):

“No geral, Israel compartilhava a visão de mundo do antigo Oriente Próximo. A terra era vista como uma extensão plana, vista na imagem de um disco ou círculo sobre as águas primitivas (Is 40.22; Jó 26.10; Prov 8.27; cf. ‘círculo dos céus’. Jó 22.14) ou de uma vestimenta estendida abrangendo o vazio (Jó 26.7; 38.13). De acordo com HH Schmidt (ISSO 1.230-31), essas duas imagens, presentes também na Mesopotâmia, derivam de concepções diferentes, mas compatíveis, do cosmos que estão entrelaçadas sem tensão no AT. Referências à terra (quatro) cantos / jantes / bainhas (‘arba’ kanepot ha’ares; Is 11,12; Jó 37,3; 38,13; cf Is 24,16_, seu fim (s), borda (s), bordas (qeselqesot; Job 28.24; Sal 135.7; Is 5.26; 40.28; 41.5, 9; Jer 10.13; 51.16), combinações destas imagens (Jr 49.36; também Sl 48.11 – Eng 48.10; 65.6 – Eng 65.5), suas extremidades (onde cessa: ‘abside [ha]’ ares; Deuteronômio 33.17; 1 Sam 2.10, etc) seus limites (Sl 74.17), ou suas partes mais remotas (Jer 6.22; 25.32; 31.8; 50.41) representam a vasta expansão de a terra e seus limites externos, em vez de uma concepção firme de sua forma. T Boman (1960: 157-59), assinalou que nomear os limites externos de qualquer área inclui toda a área, de modo que os termos acima funcionam quase como sinônimos de “terra”, “mundo”. O conceito moderno de um universo infinito ou ilimitado não era conhecido no AT; pelo contrário, o céu e a terra deveriam ser selados na borda do pântano para impedir o influxo das águas cósmicas (Stadelmann 1970: 43). 41) retratam a vasta extensão da terra e seus limites externos, em vez de uma concepção firme de sua forma. T Boman (1960: 157-59), assinalou que nomear os limites externos de qualquer área inclui toda a área, de modo que os termos acima funcionam quase como sinônimos de “terra”, “mundo”. O conceito moderno de um universo infinito ou ilimitado não era conhecido no AT; pelo contrário, o céu e a terra deveriam ser selados na borda do pântano para impedir o influxo das águas cósmicas (Stadelmann 1970: 43). 41) retratam a vasta extensão da terra e seus limites externos, em vez de uma concepção firme de sua forma. T Boman (1960: 157-59), assinalou que nomear os limites externos de qualquer área inclui toda a área, de modo que os termos acima funcionam quase como sinônimos de “terra”, “mundo”. O conceito moderno de um universo infinito ou ilimitado não era conhecido no AT; pelo contrário, o céu e a terra deveriam ser selados na borda do pântano para impedir o influxo das águas cósmicas (Stadelmann 1970: 43).

Em contraste com esta preocupação com os limites externos da Terra, um centro ou umbigo da terra (Heb tabbur) é mencionado apenas uma vez (Ezequiel 38.12; cf. Jz 9.37; Jo 8.19). L Stadelmann (1970: 147-54) sugere que Jerusalém (cf. Ez 5,5), e possivelmente Bethel em um tempo anterior (cf. Gn 28,10-12,17-18), foram considerados sob esta luz, de acordo com as opiniões de muitos. ANE e outros povos que o seu santuário central ou capital representava tal centro. No entanto, este tema não é proeminente no Antigo Testamento; que Jerusalém, como o centro de adoração do Deus universal, ocupava uma posição de proeminência central (Is 2.2-3 = Mic 4.1-2) é uma observação teológica e não acosmológica.

Sobre a terra e seu (s) mar (es) circundante (s) arqueia a abóbada firme (ou firmamento. Heb raqia ‘(Gn 1.6)) do (s) céu (s). Juntos, o céu e a terra formam o que chamamos de mundo, universo, cosmos (Gn 1.1; 2.1, 4; Êx 31.17; Sl 102.26 – Eng 102.25; Is 48.13; 51.13, 16 e muitas vezes). Ocasionalmente, a terra sozinha parece melhorar todo o cosmos (por exemplo, Is 6.3; 54.5; Zeph 1.2-3, 18 (?)). A abóbada celestial repousa sobre a terra (Amós 9.6; cf. 2 Sam 22.8: ‘os fundamentos dos céus’ = a terra) que por sua vez está firmemente assente em pilares (1 Sam 2.8) ou fundações (Is 24.18; 40.21; Jer 31.37, Mic 6.2, etc). As fundações estão associadas aos ‘céus’ (2 Sm 22.8) ou ao ‘mundo’ (Heb tebel; 2 Sm 22.16 – Ps 18.16 – Eng 18.7). O verbo yasad ‘to found’ é usado com referência à fundação da terra por Deus (Jó 38.4; Sl 24.2; 102.26 – Eng 102.25,

Um tanto ambivalente é a estrutura no lugar do (s) mar (es) ou água (s), o profundo e o submundo. Os mares podem ser mencionados como uma realidade familiar, na qual os peixes e outras criaturas aquáticas pululam (Gn 1.20, 22, 26, etc.) e sobre os quais os seres humanos se movem em navios (Sl 104.25-26; 107.23; Pv 30.19; Ez 27.9 ). Como tal, o mar faz parte da terra, ou seja, a superfície plana abaixo justaposta aos céus acima. Uma posição de transição entre a terra e o mar circundante é ocupada pelas ilhas ou regiões costeiras (Heb ‘iyyim; Isa 24.14-16; 41.5; 42.4, 10). Em outras partes do AT, o (s) mar (es) ou água (s) assumem o caráter de um terceiro reino cósmico, além da terra celeste, a extensão do caos cósmico que cerca todas as águas…

O submundo é frequentemente mencionado como parte da terra, uma caverna inferior, sepultura, chamada de Heb Sheol, onde os mortos levam uma existência sombria; pode até mesmo ser referido simplesmente como “terra” (1 Sm 28.13; Sl 71.20; 106.17; Is 29.4). Em outros textos, Sheol é tratado como um reino cósmico separado além do céu e da terra (Jó 26.5; Sl 139.8; Amós 9.2). A concepção do mundo no Antigo Testamento, portanto, é basicamente bipartida (céu e terra), diversamente estendida a um cosmos tripartido (céu-terra-mar ou céu-terra-submundo). Embora certos livros e seções posteriores (Jó, Provérbios 8, vários Salmos pós-exílicos, Isaías 24-27; 40-55) sejam mais explícitos em suas descrições cosmológicas do que os documentos anteriores, a visão geral do cosmos não mostra nenhuma mudança significativa ou desenvolvimento ao longo do período do AT. ”(p.245-246)

Browning, WRF Dicionário da Bíblia (Oxford: Oxford University Press, 1996):

“A cosmologia hebraica mostrava uma terra plana sobre a qual havia um fim em formato de domo, apoiado sobre a terra por montanhas e cercado por águas. Buracos ou sluces (janelas, Gn 7.11) permitiam que a água caísse como chuva. O firmamento era o céu no qual Deus colocou o sol (Sl 19.4) e as estrelas (Gn 1.14) no quarto dia da criação. Havia mais água debaixo da terra (Gn 1.7) e durante o Dilúvio os dois grandes oceanos se juntaram e cobriram a terra; o sheol estava no fundo da terra (Is 14.9; Nm 16.30. ”(p. 136)

Stuhlmueller, Carroll O Dicionário Pastoral de Collegeville de Teologia Bíblica (Collegeville: The Liturgical Press, 1996):

“O antigo Israel imaginou a terra como um disco plano (Is 42.5), erigido sobre uma fundação ou pilares (Jó 9.6). Está cercado pelo oceano (Sl 24.2; 136.6). Tem quatro cantos (Is 11,12; Ez 7,2; trabalho 37,3; 38,13) e uma borda (Is 24,36) ou termina (Is 40,8; Jó 28,4; Sl 48,11; Jer 6,22; 25,32). Também tem um centro ou umbigo (Ezequiel 38.12). Exceto pela implicação de que Jerusalém é o centro da Terra, a visão do mundo de Israel antigo não difere da de outros povos do antigo Oriente Próximo. ”(P.234)

Aqui estão alguns trechos de uma monografia sobre o tema: Stadelmann, Luis IJ, SJ A concepção hebraica do mundo – um estudo filológico e literário (Roma: Pontifical Biblical Institute, 1970):

Horizonte
“Outra ideia, particularmente digna de nota porque diz respeito ao horizonte como limite entre a terra e o céu, indica mais claramente como a cúpula celeste estava ligada à terra. Este limite entre a terra e o céu foi expresso por Hwg Smym (Jó 22.14) ou hwg h’rs (Is 40.22). Literalmente hwg indica um círculo. Vale a pena notar que este termo é usado no contexto cosmogônico: ‘Ele [Deus] marca um círculo na superfície da água; Como a fronteira entre a luz e as trevas. (Jó 26.10) … o horizonte impede que o mundo seja inundado pelas águas primitivas, mantendo firmemente o céu e a terra juntos. Dos textos das Escrituras citados acima, concluímos que os antigos hebreus concebiam o horizonte não apenas como a fronteira entre o céu e a terra, mas também como o elo entre a cúpula do céu e a superfície da Terra. ”(P. 42)

O Firmamento do Céu
“… a imagem por trás do verbo nth sugere tanto o estender o céu na forma de um pano como o lançamento de uma tenda … os antigos hebreus consideravam o céu como o local de um edifício no qual Deus habita e no qual o depósitos de chuva, granizo e neve são erguidos. ”(pág. 44)

“No céu estão localizados os armazéns ‘feitos com thesauros pela LXX, contendo enrolamentos, snaow e granizo (Sl 135.7; Jer 10.13; 51.16; Jó 38.22). A residência de Deus era provida de “câmara” superior ou de teto ”(Sl 104.3). O imaginário elástico em que o céu é a morada de Deus ou um suporte das águas primitivas acima das quais Deus reside, aparece em várias referências bíblicas. Assim, Yahweh construiu seu palácio real em pilares firmes nas águas ondulantes do mar celestial, acima do dossel do céu (Sl 104.3). Outra passagem sugere que câmaras superiores de Deus foram construídos no próprio céu “. (Pp44-45)

Rainfall
“Dois fatores essenciais para explicar este fenômeno desempenharam seu papel, a saber, a capacidade de conceber um oceano para o suprimento de água necessário e a capacidade de relacionar as chuvas periódicas com grades ou comportas no firmamento que foram abertas a intervalos para permitir que a água atravessar. Essa idéia, que naturalmente se sugere aos homens por meio da observação da chuva, é encontrada, embora em diversas formas, entre muitos povos nos tempos antigos. Os antigos hebreus acreditavam que o firmamento era perfurado em intervalos por ‘rbwt, as’ janelas do céu ‘(Gn 7.11; 8.2; 2 Rs 7.2, 19; Is 24.18; Mal 3.10).

“Claramente, acreditava-se que a água existe tanto acima do céu (cf. Sl 148.4) e dentro dela (cf. Jer 10.13; 51.16; veja também 2 Sm 21.10). As águas acima do céu representam o oceano celestial chamado mbwl… Acreditava-se que as águas no céu estivessem armazenadas nas “casas do tesouro”, seja como neve ou granizo (cf. Jó 38.22; ver também Is 55.10; Josué 10.11) ou mantido nas nuvens e libertado para a terra sob a forma de chuva (cf. Gn 8.2; Is 55.10; Deuteronômio 11.11), aguaceiros (cf. Jer 14.22), ou orvalho (cf. Gn 27.28, 39; Dt 33.28; Zc 8.12 Dan 5,21).

Céu
“O céu… foi retratado como uma tenda. A implicação dessa visão é que o céu é uma morada, enquanto a terra embaixo está sob o dossel protetor do céu: “Realmente ele [Deus] me guardará em sua morada, depois do dia mau: Ele me abrigará em seu abrigo. tenda, me porá sobre o seu monte ”(Sl 27.5).” (p52)

“os hebreus pensavam principalmente no céu como residência de Deus”

Firmamento
“No conceito rqy… usado para descrever o firmamento, a função e a forma da cúpula celestial são essencialmente relacionadas. A palavra hebraica rqy ‘vem da raiz rq’ que significa “bater, estampar, expandir batendo” e espalhar-se ”. o significado da razão substantiva ‘é’ superfície estendida, extensão (sólida). ”Desse significado, deriva um segundo, que a mesma raiz rqa ‘assume na língua siríaca: isso pode ser expresso por“ pressionar para baixo, espalhar-se , consolidar. ”
A extensão batida da terra … permanece como uma partição no meio das águas para separar as águas superiores das águas inferiores.”

“O escritor Sacerdotal concebeu a rqy” como algo “sólido”. Essa ideia de solidez de ryy ‘é transmitida também por Ezequiel, no que poderia ser chamado de visão trono-chariota:

‘Sobre as cabeças das criaturas havia a aparência de um’ rqy ‘, brilhando como gelo transparente, esticado acima de suas cabeças. sob o rqy ‘suas asas tocaram aqueles na próxima [criatura]. E acima do reino que estava acima de suas cabeças havia a aparência de um trono, colorido como safira. (Ez 1,22-23,26). Então eu olhei e eis! sobre o reino ‘que estava sobre a cabeça dos querubins, apareceu a aparência de um trono, colorido como safira’ (Ez 10.1).

A função de rqy ‘sugere, neste contexto, a ideia de’ pavimento, piso, base ‘. rqy ‘definitivamente não deve ser identificado com a terra, e é sobre esta questão que o trono descansa. ”(p56)

“ Uma nota interessante… é fornecida pelo relato da criação onde se diz que as luminárias foram’ postas ‘ ‘(ntn deve ser tomado no sentido de sym), no ryy’ do céu. ”(p57)

Chuva
“Apesar do número limitado de passagens que explicitamente mencionam o local de origem da precipitação, referindo-se ao céu (cf. as expressões mtr hsmym (Dt 11.11); kpr smym (Jó 38.29); tl smym (Gn 27.28) ou os armazéns no céu (cf. Jó 38.22), pode-se presumir com segurança que os antigos hebreus conceberam um imenso oceano localizado acima do firmamento que fornece água para a precipitação.Essa suposição se baseia no uso de verbos específicos empregados nesse contexto, que falam da fluidez da água. nzl, gotejando ‘rp, descendo yrd e caindo npl de cima. ”(pp120-121)

“Os antigos hebreus concebiam um oceano localizado acima do firmamento e relacionavam as chuvas periódicas às janelas (‘rbwt’) e às portas (dltym) no firmamento, que eram abertas a intervalos para permitir a passagem das águas. Estas, no entanto, não são as únicas aberturas no céu através das quais a chuva foi liberada na devida medida. Essa visão dos canais de água, como os canais de irrigação, abertos na superfície do firmamento, que fizeram a chuva fluir de todas as partes do céu, é confirmada por uma passagem poética: “Quem cortou um canal para as torrentes de chuva e um caminho para o raio ‘(Jó 38.25)

Terra
“Os antigos hebreus consideravam o universo em uma estrutura de três níveis. A terra estava localizada entre o céu, a parte superior e o submundo, a parte mais baixa do universo. A terra era considerada uma vasta planície, ocupada em parte pelo mar, em parte por continentes cobertos de montanhas, sulcados por rios e salpicados de lagos. O horizonte que circunda a terra sugere naturalmente a idéia de uma forma circular para os antigos hebreus. ”(P. 126)

– Nos pilares: “Semelhante à concepção de que o céu foi pensado para ser construído sobre pilares, há abundantes evidências que confirmam a visão geralmente aceita de que a terra está firmemente fixada em seu lugar. A idéia da estabilidade da terra encontra expressão nas fundações, pedras angulares e pilares sobre os quais se diz que a estrutura da terra foi construída. ”(P. 126)

– Nas águas profundas: ‘Ele suspende a terra sobre nada ‘(Jó 26.7b)’ Uma interpretação provável parece ser que a massa terrestre que sustenta os continentes e os mares em sua parte superior está flutuando no dilúvio primitivo ‘”(p. 127).

Quaisquer que sejam as desculpas apologéticas, é claro que os principais comentários e dicionários aceitam que os escritores bíblicos concebiam um universo de três camadas.

Fonte: https://web.archive.org/web/20090809230338/http://sol.sci.uop.edu/~jfalward/ThreeTieredUniverse.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *