Rabinos judeus sempre ensinaram que o firmamento é sólido…

…embora, influenciados pela Ciência, judeus modernos, como o autor deste texto, não acreditem mais que o domo celestial realmente exista.

Oren Fass, MD, é um cirurgião oftálmico na área de Dallas.

11/10/2017

 

Meu encontro com o firmamento

A Torá descreve a criação de Deus do firmamento (רקיע) no segundo dia da criação. Este pedaço do universo, no entanto, não existe realmente – um problema ofuscado na minha educação de yeshiva.

Oren Fass, MD

Uma visão de olho de peixe do mar vermelho em israel, início da primavera. 123rtf

O f todos os problemas inquietantes cosmologia moderna coloca para o primeiro capítulo do Gênesis, tais como o cronograma bíblico insuficiente de 6 dias (ao contrário de milhares de milhões de anos) até o aparecimento dos seres humanos, ou flor vegetativo antes do sol e da fotossíntese, o mais agudo para mim é a criação de Deus do firmamento (רקיע; rakia ) no segundo dia.

Se você não estiver familiarizado com o firmamento, imagine por um momento o horizonte, onde a terra parece se encontrar com o céu. Apenas tente imaginá-lo como um ponto de conexão entre dois sólidos: uma placa plana como a terra, e uma cúpula rígida como uma tigela invertida que a salta, azul como o oceano, das vastas reservas de água que ela contém.Isto é o que a Bíblia está descrevendo quando se refere a הָרָקִיעַ, tradicionalmente traduzido em Bíblias inglesas como “o firmamento” (do latim firmamentum que significa “apoio”).

Se você pode entreter essa noção, e sentir-se sob esta enorme parede curva do céu, forçando sob o peso da água da chuva que retém, então você está vivendo na terra que nossos sábios sabiam, pois este é o mundo, o universo, que a Bíblia concebeu:

בראשית א ו וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים יְהִי רָקִיעַ בְּתוֹךְ הַמָּיִם וִיהִי מַבְדִּיל בֵּין מַיִם לָמָיִם. א æוַיַּעַשׂ אֱלֹהִים אֶת הָרָקִיעַ וַיַּבְדֵּל בֵּין הַמַּיִם אֲשֶׁר מִתַּחַת לָרָקִיעַ וּבֵין הַמַּיִם אֲשֶׁר מֵעַל לָרָקִיעַ וַיְהִי כֵן. א ח וַיִּקְרָא אֱלֹהִים לָרָקִיעַ שָׁמָיִם…
Gênesis 1: 6 Deus disse: “Seja um firmamento no meio da água, para separar a água da água.”  1: 7 Deus fez o firmamento, e separou a água que estava abaixo do firmamento da água. que estava acima do firmamento.E foi assim. 1: 8 Deus chamou o céu do firmamento …

A ideia de um firmamento é inteiramente contraditória à ciência planetária moderna; todavia Deus existe, em nossa Torá, gastando todo o segundo dia da criação formando-o.

A crença pré-moderna em um firmamento

A ideia do céu acima de nós como uma estrutura sólida é compartilhada por quase todas as culturas humanas pré-modernas. É melhor entendido como um produto da mente pré-científica, tentando dar sentido ao que vê e oferecendo uma explicação intuitiva, embora factualmente incorreta.

O céu é azul porque está cheio de água, como o mar. [1] A água não cai sobre nós porque algo está segurando, e essa coisa é transparente, já que podemos ver o tom azul do líquido por trás dela. [2] Esta barreira é em forma de cúpula, uma vez que vemos os céus acima curvando-se no horizonte e encontrando a terra plana.

Essa compreensão é tão onipresente que alguns antropólogos a consideram uma “crença humana geral”. [3] Como Paul Seely, um estudioso da Bíblia que trabalha na interseção da literatura e da ciência da ANE, escreve:

Além de uma educação científica, é natural demais que as pessoas pensem no céu como algo sólido. [4]

Lendas culturais que descrevem a cúpula são abundantes o suficiente para incluir setas sendo atiradas no firmamento e hospedagem lá (Japão, América Nativa, Chuckchee), aventureiros subindo para o céu (Índia), pessoas subindo através de um buraco no firmamento (Navaho) ou desmoronando através de um (Sêneca), e heróis navegando um navio para o local onde o céu encontra a terra (Buriat), e onde o firmamento é tão baixo que os mastros dos navios podem acabar raspando-o. [5]

Essa crença em um firmamento sólido era padrão entre o povo do ANE, que distinguia entre a “atmosfera” em que vivemos e o céu sólido acima. Na mitologia suméria, An é o deus do céu / firmamento, enquanto Enlil (literalmente, “Senhor do Vento” [6] ) é o deus do que acontece entre o solo (controlado por En.Ki, “Senhor da Terra” ) e o firmamento.

No Egito, o céu é retratado como a deusa Nut, com estrelas por todo o corpo. Suas mãos descansam em um lado da terra e suas pernas no outro, e Shu, o deus do ar, estica as mãos no ar para segurá-la. Na história da criação da Babilônia Enuma Elish (tablet 5), Marduk mata a gigante deusa criadora Tiamat e usa parte de seu cadáver para criar a terra e a outra para criar o céu:

Ele colocou sua coxa para fazer o céu rápido.
Com metade dela, ele fez um telhado; ele consertou a terra. 7]

Em suma, para os antigos o universo era uma espécie de terrário, um espaço cuidadosamente preservado que foi criado para eles por um criador ou criadores, uma “bolha” em águas sem fim, na qual a terrível calamidade de certas inundações era impedida por paredes que Abobadado acima deles, as comportas (אֲרֻבֹּת הַשָּׁמַיִם) de Gênesis 7:11. Assim, para os antigos israelitas, a representação do segundo dia da criação era natural: o criador estava construindo para eles o firmamento, a grande cúpula do céu, e protegendo-os de serem afogados pelas águas acima.

A concepção antiga do universo. Diagrama de  “Um dicionário da Bíblia; lidando com sua linguagem, literatura e conteúdos, incluindo a teologia bíblica; ”(1898)

A cúpula pré-copernicana

Todo comentarista pré-copernicano no judaísmo que escreveu sobre o rakia sabia exatamente o que era. [8] O Talmud, por exemplo, registra opiniões variadas sobre a espessura do que é claramente um firmamento sólido; dos firmamentos de sete camadas de Resh Lakish (b. Chagigah 12b), para os dois firmamentos de R Judah ( ibid .), do firmamento da largura do dedo de Rav Joshua ben R Nehemia ( Gen. Rab. 4: 5), para a “jornada de 50 anos” do firmamento de Rav Judah (j. Berachot 2c).

Os rabinos ainda debater os rumos do sol à noite, quando ele deixa o céu visível sob a cúpula, se viaja por cima do firmamento ou debaixo da terra ( Gn Rab . 6: 8; b. Pesachim 94b). A última possibilidade leva os rabinos a proibir a água que não é servida antes do anoitecer para cozer a matsá, para que o sol não se mova sob a placa e aqueça a água por baixo antes de retornar à cúpula pela manhã (b. Pesachim 42a). [9] Isso é chamado de mayim she-lanu (água que foi deixada de lado [iluminada] e evitou ser aquecida pelo sol), ainda hoje em prática em certos círculos, [10]e remove os entendimentos talmúdicos da cosmologia da mera especulação aggádica para a prática da Halachá. [11]

Como pessoas modernas, sabemos que o sol não aquece a água subterrânea viajando por baixo de uma terra plana. Afinal, a terra é redonda. A lua, as estrelas e o sol não são colocados em uma cúpula que gira sobre a terra. Em vez disso, a terra gira em torno do sol, as estrelas são sóis distantes e a lua orbita ao redor da Terra. Mas a nossa terra redonda, girando em torno de um sol gigante e situada na vasta extensão do espaço em um universo imenso, não é o mundo da Torá ou dos Sábios.

O que nós fomos ensinados

Minha esposa e eu fomos criados na Yeshiva Orthodoxy. Ao discutir este ensaio com ela, ela me disse que em seu último ano do ensino médio em um seminário ortodoxo, uma quantidade considerável de tempo era dedicada ao primeiro e segundo dias de criação. O ponto focal desta discussão visava destacar a magnificência da conversão do nada em “algo” ou matéria. Esta série de palestras envolveu muitas invocações de terminologia de física de vanguarda, bem como um conhecimento mais profundo, embora oculto. O firmamento em si não era descrito como uma cúpula sobre uma terra plana, e as águas que ela separava não eram águas. Era tudo uma metáfora para um processo material de criação fora de nosso conhecimento e, de fato, fora de nossas imaginações, e estava de alguma forma ligado a esses obscuros processos científicos.

Minha própria experiência educacional em relação ao firmamento começou no nono ano na Yeshiva enquanto aprendia o tratado talmúdico de Nedarim . Não estava ligado diretamente à pseudo-ciência, assim como o treinamento de minha esposa. Quando perguntei ao meu Rebbi o que era o firmamento, ele respondeu que era a “bainha” por onde o sol viajava. Não houve menção das crenças pré-modernas sobre a cúpula da Terra. Meu Rebi escolheu descrever uma nova força da natureza, algo aparentemente desconhecido para a ciência até o momento.

“O que é essa bainha, e como alguém sabe sobre isso?” Eu queria saber. A resposta do meu Rebbi foi muito direta. Os sábios sabiam coisas que nós não sabemos. A resposta do meu Rebi era muito familiar para mim, como seria para qualquer estudante do sistema Yeshiva. Este é o conceito de da’as Torá [12] (ת תורה): A imersão dos sábios nos estudos de Torá também forneceu perícia no conhecimento mundano, para ser confiável acima dos pronunciamentos científicos (contemporaneamente em relação à evolução).

Não completamente satisfeito, voltei ao meu Rebbi depois de rastrear o comentário de Rashi (Gn 1: 6) – que ele tirou de textos rabínicos anteriores [13] – sobre como o rakia realmente foi feito no primeiro dia e apenas congelado no segundo dia. , baseado em uma leitura midrashic de um verso em trabalho:

יהי רקיע – יחזק הרקיע. שאף על פי שנבראו שמים ביום ראשון, עדיין לחים היו, וקרשו בשני מגערת הקדוש ברוך הוא באומרו יהי רקיע וזהו שכתוב (איוב כו יא) עמודי שמים ירופפו כל יום ראשון.ובשני יתמהו מגערתו, כאדם שמשתומם ועומד מגערת המאיים עליו:
“Que haja um firmamento” – deixe o firmamento se solidificar. Pois, embora os céus tenham sido criados no primeiro dia, eles ainda estavam líquidos, mas eles congelaram no segundo dia em resposta ao rugido do Santo, quando ele disse: “Haja um firmamento”. Isto é o que o verso significa ( Jó 26:11): “Os pilares do céu tremem” – durante todo o primeiro dia, e no segundo [estavam] “Surpreendidos com a sua explosão” como uma pessoa que está atordoada e congela com o rugido de alguém que o ameaça.

“Como Rashi sabia disso”, perguntei? Foi a mesma resposta. Rashi teve acesso a um tipo de informação espiritual que não existia mais. [14] Não sabíamos como ele sabia; fomos constrangidos a ler e a nos maravilharmos com o que se perdera: os segredos, a compreensão mais profunda, bem, tudo.

O conceito de yeridos ha-doros (ירידת הדורות; literalmente, “a descendência das gerações”), a idéia de que cada geração mais distante da revelação no Sinai caiu em seu nível espiritual, significou que havíamos caído na ignorância através dos séculos. , e não havia escada de volta.De acordo com meu Rebbi, o firmamento era algum tipo de energia, ou força, que os grandes sábios, mas não nós, sabíamos.

Encontrando o Rakia como um adulto

Não há como contornar essa ideologia rígida quando alguém tem treze anos e é instruído em yeshivá. Eu, no entanto, tive um último encontro com o rakia como um adulto, enquanto participava de um bar mitzvah dois anos atrás no Shabbos Bereishes (שבת בראשית; o Shabat no qual a história da criação é lida). Em uma sala ao lado, um orador convidado veio preparado para resolver todos os problemas cosmológicos de Bereishis . Após cerca de trinta minutos, parecia que uma sala cheia de homens e mulheres ortodoxos bem-educados e modernos estava plenamente satisfeita com “dias” que não significavam dias, e “sementes” que chegaram no terceiro dia, mas floresceram no quarto dia com o criação do sol (as sementes do espaço exterior também eram aceitáveis).

Quando eu peguei o olho do orador e perguntei sobre o rakia , eu fiz a palestra parar. “É uma estrutura fictícia”, eu dissera, mas, olhando em torno da sala com rostos surpresos e olhos questionadores, percebi que ninguém além do palestrante compreendeu minha pergunta. Em vez de responder à pergunta, o palestrante me desafiou: “Quem é você”? [15]

Eu estava terrivelmente envergonhado de me apresentar como um Joe comum; Eu não tinha escrito um sefer (livro tradicional judeu), participei de qualquer tipo de programa acadêmico bíblico, ou fiz tanto quanto um podcast, para a decepção de todos. Depois das apresentações, o palestrante me informou que minha pergunta era tão boa que precisava ser respondida depois do shiur . Fiel à sua palavra, ele me encontrou no kidush depois. “O rakia “, disse ele, “poderia significar ar … ou nuvens”, ele me disse em particular, e muito rapidamente partiu para sua próxima palestra.

Apologética e o Firmamento: Ar ou Nuvens

O público judeu moderno não é o primeiro a ser perturbado pelo firmamento imaginário tão centralmente exposto na Bíblia (ostensivamente divinamente ditada). O cristianismo conservador está igualmente ansioso para que esse estado de coisas seja conciliado.

Em resposta à revolução coperniciana do 16 th século, John Calvin-o teólogo francês em grande parte responsável pela formação do movimento protestante, Calvinismo-sugeriu em 1554 que a expansão refere-se a ar ou nuvens. [16] (O orador do Shabbos pouco sabia que ele estava citando João Calvino!) Essa ideia ocasionalmente aparece nas discussões ortodoxas judaicas sobre este tópico, como aconteceu com o orador na Shul, e foi introduzida na Ortodoxia por Rav Samson Raphael Hirsch (1808). -1888). [17]

Embora tais respostas cuidadosamente evitem o problema fundamental de Deus criar uma estrutura inexistente, elas criam outros problemas. Por exemplo, o ar não separa “água da água” como o verso declara, nem existiria ar ou nuvens antes da criação do sol e da lua no dia (período de tempo) quatro em qualquer cosmologia que quisesse pelo menos fingir ser científico.

Além disso, a palavra rakia simplesmente não significa ar ou nuvens. Na medida em que as nuvens, a Bíblia usa o termo anan (ענן) ou av (עב), não rakia . Além disso, a história da criação em Gênesis 1 descreve claramente que, enquanto o sol, a lua e as estrelas são colocados na Rakia (בִּרְקִיעַ הַשָּׁמַיִם), aves-que voam através do ar são colocados abaixo da Rakia(עַל פְּנֵי רְקִיעַ הַשָּׁמָיִם, literalmente “ na face do firmamento do céu ”). Assim, rakia não pode se referir ao ar. Além disso, como o Talmud já nota [18] e a lexica bíblica contemporânea comoBDB eHALOT afirmam que a etimologia da palavra rakia a conecta com a atividade de “martelar” um material sólido, como seria feito para transformar estanho ou cobre em uma cúpula achatada. Eles obviamente não estão imaginando ar e nuvens. [19]

Talvez a evidência mais clara de que nuvens ou ar não seja realmente “ a resposta” é que nenhum inglês Chumash / Bíblia que eu tenha visto usa tal tradução. Se isso fosse realmente uma resposta tão persuasiva, tal tradução seria onipresente. Penso na minha interação com o orador convidado há dois anos. Por que ele estava apenas disposto a discutir isso em conversas privadas depois que a palestra terminou? É porque não pode ser oferecido como uma resposta pública, em voz alta, pois leva a outro problema mais profundo.

Masorah Infalível

De acordo com concepções judaicas tradicionais, existe uma tradição ininterrupta ( masorah) de Deus no Sinai para nossos sábios até o presente (ver, por exemplo, m. Ab 1: 1). Durante séculos, essa masorah entendeu a rakia como uma cúpula sólida. Um orador moderno não pode simplesmente mudar isso com base na ciência moderna sem levantar sérias questões sobre a origem dessa cadeia ininterrupta, especialmente no caso do rakia , onde os principais pronunciamentos vêm da Bíblia.

Além disso, essa mesma masorah também é responsável por nos assegurar que o que sabemos sobre nossas tradições e nossas crenças é verdadeiro. Todas as provas e argumentos centrais à defesa de nossa fé central remetem à ideia de uma cadeia ininterrupta de informações que leva à comunicação de Deus com Moisés no Monte Sinai.

Não é tarefa fácil abandonar qualquer parte específica dele. É especialmente difícil quando temos que descartar parte da nossa masorah e admitir que a imersão no conhecimento da Torá ( da’as Torá ) não produz uma compreensão correta da mecânica do universo, mesmo entre nossos maiores sábios. Em vez disso, é um astrônomo – não da linhagem judaica – que derrubou essa imagem do universo e, por meio da observação e da lógica, a cúpula de nossos sábios e nossa Bíblia desapareceram.

Por que esse fato bem conhecido – a ausência de um firmamento na ciência moderna – foi tocado na minha experiência com a yeshiva? Talvez, porque é difícil apresentar aos alunos a idéia de que a tradição rabínica não é absolutamente confiável em todos os assuntos. Ensinar aos alunos que nossa Torá foi ditada pelo próprio Criador, e que o verdadeiro entendimento desta Torá foi transmitido através dos tempos por sábios de grande sagacidade com acesso sem precedentes aos segredos da criação, enquanto ao mesmo tempo caminhava para o quadro de giz para desenhar uma linha e um semicírculo e declarar que essa representação é o universo tanto de Deus quanto dos sábios – o mesmo mundo em que as pessoas temiam navegar seus navios para fora da borda – que é uma água agitada para navegar no primeiro mês do ano escolar Yeshiva, quando o início daBereishis é tradicionalmente lido!

Assim, a solução tornou-se: ofuscar e não discutir o significado simples do texto. “Problemas com Bereishis ? Que questões? ”Foi adotado como o caminho a percorrer. De fato, em vez de apresentar esses versos como conflitantes com a ciência, os educadores os atribuem ao reino do desconhecido ou a descrições de processos científicos vagos e misteriosos. Ironicamente, isso os transforma em apoio para da’as Torá (somente Rashi poderia saber sobre a energia do firmamento!) E um apoio para a masorah (os sábios sempre entenderam o que a ciência mal está começando a enfrentar, como o big bang e energias cósmicas e física quântica).

O que os Mepharshim dizem

Então, o que os rabinos querem dizer ao dizer que o rakia era líquido no primeiro dia e congelado no segundo? Gênesis Rabá (Bereishit 4; Theodor-Albeck edition), ao discutir os possíveis significados da palavra shamayim , afirma o seguinte:

ר’ יצחק אמר שאמים טעון מים, לחלב שהיה נתון בקערה עד שלא תרד לתוכו טיפה אחת שלמסו הוא מרפרף , כיון שתרד לתוכו טיפה אחת שלמסו מיד הוא קופה ועומד כך עמודי שמים ירופפו (איוב כו יא) ניתן בהם את המסו ויהי ערב ויהי בקר יום שני, אתיא כההיא דאמר רב לחים היו [נ] עשים [ביום ראשון] [20] ובשיני קרשו.
R. Isaac disse: “[ Shamayim deve ser analisado como um comando:] Sa-mayim (“ carregar água ”), isto é, retém a água. [Os céus] eram como leite em um prato; até que um gotejamento de coalho seja colocado, [o leite] espirra, mas uma vez que uma gota de leite é colocada nele, [o leite] congela e fica sólido. Este é o significado de (Jó 26:11): ‘Os pilares dos céus eram trêmulos’. Um coagulante foi colocado nele, “e já era noite e era manhã, dia dois”. Isso segue o que Rav disse: “Eles eram líquidos no primeiro dia e no dia dois os congelados”.

Como notado acima, Rashi usa este mesmo verso de Jó, acrescentando apenas que o rugido de Deus é o coagulante, que liga as duas partes do verso umas às outras. A imagem da rakiaclara como sendo feita de água gelada faz sentido intuitivo no pensamento pré-moderno, uma vez que a água clara é transparente. E assim, no primeiro dia, Deus levanta a água, mas segura a água. No segundo dia, Deus “late” a camada inferior da água, solidificando-a e permitindo que ela retenha a água no lugar de Deus.

Esta explicação é provavelmente influenciada pelo fato de que rakia é usado como um termo paralelo para shamayim no Salmo 19: 2:

הַשָּׁמַיִם מְסַפְּרִים כְּבוֹד אֵל וּמַעֲשֵׂה יָדָיו מַגִּיד הָרָקִיעַ.
Os céus declaram a glória de Deus, o firmamento proclama Sua obra.

Isso também pode ser o que levar o 8 th trabalho midrashic século, Pirkei de-rabino Eliezer(cap. 4) para afirmar que a rakia foi criado em um dia, desde shamayim , que inclui a Rakia,foi criado em um dia:

וַהֲלֹא הַשָּׁמַיִם וְהָאָרֶץ נִבְרְאוּ בְּיוֹם רִאשׁוֹן… וְאֵיזֶה רָקִיעַ בָּרָא בְּיוֹם שֵׁנִי?
Mas os céus e a terra já foram criados no primeiro dia… então que tipo de firmamento foi criado no segundo dia?… [21]

Um verso ainda mais revelador vem novamente de Jó, no qual o “amigo” de Jó Eliú descreve a criação do mundo (Jó 37:18):

תַּרְקִיעַ עִמּוֹ לִשְׁחָקִים חֲזָקִים כִּרְאִי מוּצָק.
Você pode ajudá-lo a esticar (קקקע) os céus, firmes como um espelho de metal fundido?

Se os céus estendidos também são o rakia , então, em um sentido, rakia e shamayim são os mesmos, e em outro sentido eles não são. Juntando tudo isso, Rashi partiu com a idéia de que o rakia é substancialmente o mesmo material que o céu, a saber, a água, mas que Deus o congelou de modo que se tornou “tão duro como um espelho de metal fundido”, mas tão transparente quanto vidro ou água limpa.

Interpretando Rashi Honestamente: Meu Devar Torá
e o Benefício do Contexto

Como pessoas que vivem na era científica, fazemos argumentos sobre a natureza do universo com base em estudos empíricos, mas, como regra geral, não é assim que os argumentos científicos funcionaram nos tempos pré-modernos. Nos tempos medievais, em especial, era perfeitamente aceitável argumentar uma teoria científica baseada em deduções de textos bíblicos, como vemos aqui. Além disso, os argumentos apresentados acima só fazem sentido se aceitarmos que esses eruditos entendiam o rakia em seu sentido simples, uma grande barreira azul sustentando as águas celestes.

Quando tentamos “modernizar” o rakia , pensando nele como algum tipo de energia mística, ou como nuvens ou ar, por que esses comentaristas estão interessados ​​em um firmamento ou outro suporte já presente no primeiro dia torna-se inexplicável. Pelo que? Por que o mundo precisaria de uma nuvem ou de alguma energia misteriosa no primeiro dia do que no segundo dia?

Mas quando vemos o universo em seus próprios termos, com as águas acima da queda se não forem mantidas no lugar, então fica claro que ter um “céu e terra” separado no primeiro dia da criação exige algum tipo de partição; se existe um shamayim (águas celestiais) separado da terra, deve haver um tipo de firmamento para sustentá-lo. Isso segue logicamente quando entendemos a natureza do universo pré-moderno. Assim, ironicamente, só podemos entender e apreciar os insights de nossos mephorshim (comentadores tradicionais) quando os vemos através de uma lente pré-moderna, e não quando os “forçamos a falar” no jargão científico contemporâneo.

Ensinando a Torá na Era do Google

Eu entendo o cálculo simples do mundo da yeshiva evitando discutir honestamente a rakia .As probabilidades de que os típicos ba’al habos (בעל הבית; trabalho duro médio) conectem esses versos com os conceitos ANE do universo são baixos. Assim, pode-se argumentar que vale a pena correr o risco de evitar isso completamente, em comparação com a alternativa: expor salas de aula inteiras ao problema, desafiando assim “desnecessariamente” esses jovens adultos. Mas essa estratégia nem sempre funciona; não para mim.

Quando eu finalmente continuei a explorar o judaísmo fora da bolha da yeshiva e percebi o que havia sido escondido de mim – o rakia é apenas um exemplo ilustrativo – eu estava desanimado. Senti-me como se estivesse ” engolido ” pelos conceitos de da’as Torá e amasorah promovida por educadores, e deixei de me sentir tola. Demorei algum tempo, muito tempo depois que terminei o ensino médio, antes de entrar em contato com as noções contemporâneas de erudição bíblica que tornam os conceitos como o rakia acessíveis de maneira lógica.

Já se passaram algumas décadas desde a minha experiência no ensino médio, e não é mais difícil encontrar informações sobre o que a Bíblia significa em seu contexto ANE que irá rapidamente contradizer qualquer apologética que se possa ouvir na yeshiva. Talvez a comunidade de educadores dentro do sistema deva considerar uma nova estratégia. Afinal de contas, uma preguiçosa busca no Google no horário de almoço trará a alguém com uma curiosidade passageira uma dúzia de fontes com tudo que os educadores de yeshivá esperavam que os estudantes nunca descobrissem sobre o rakia e muitos outros tópicos desafiadores . Se esta peça pode ser uma fonte para um jovem estudante como eu, tentando descobrir um caminho através das contradições, por minha parte, estou feliz em adicionar mais uma.

Referências:

[1] Esta parece ser a idéia em Gênesis 1, embora Êxodo 24:10 possa implicar uma explicação diferente, a saber, que o céu é azul porque é feito de lápis-lazúli.

[2] Alternativamente, pode ser azul porque é feito da mesma substância que a água, apenas sólido. Veja a discussão de Rashi mais tarde.

[3] Gudmund Hatt, Influências asiáticas no folclore americano (Copenhague, 1949), 50, citado em, Paul H. Seely: “O Firmamento e a Água acima da Parte I: O Significado de Raqiaʿ em Gn 1: 6-8” Westminster Theological Journal 53 (Outono de 1991), 227-240 [231].

[4] Seely, “The Firmament 1”, 231.

[5] Seely: “O Firmamento 1”, 228-231.

[6] Alternativamente, “Senhor da Tempestade”.

[7] Tradução de Stephanie Dalley, Myths from Mesopotamia, rev. ed. (Oxford World Classics; Oxford: Oxford University Press, 2000 [1989]), 257. Para uma discussão de onde a concepção do mundo em Gen 1 se encaixa com outras concepções ANE, veja Othmar Keel e Silvia Schroer, Creation: Biblical Theologies in o Contexto do Antigo Oriente Próximo(Winona Lake: Eisenbrauns, 2015), 78-84.

[8] Natan Slifkin, “O Caminho do Sol à Noite”, Judaísmo Racionalista (2010).

[9] Ver discussão em Moshe Simon-Shoshan, “Os céus proclamam a glória de Deus – um estudo na cosmologia rabínica”, Bechol Derakhekha De’ehu 20 (2008): 67-96 [82-83].

[10] E ainda está causando engarrafamentos em Israel para obter a água no dia anterior aocozimento da matzá . Para outras manifestações modernas desta lei, veja o vídeo do Youtube,Dorog Rebbe em mayim she-lanu 5776 , e Yochanan Donn, “Será que Nova Iorque tem como alvo Mayim Shelanu?” HaModia (20 de março de 2013).

[11] No momento em que chegar a época de Rambam (13 ª cento), o firmamento é imaginada como mais complexa. Em seu Guia dos Perplexos (2:30), Rambam rejeita a idéia de uma cúpula sustentando águas celestes (ele diz que a água não é realmente água) e reinventa a cúpula para melhor se adequar às reflexões aristotélicas, ou seja, como um sólido enorme. cúpula contendo um conjunto complexo de órbitas esféricas em que os planetas se movem.De fato, Rambam usa o firmamento e suas esferas para órbitas planetárias como uma de suas provas racionais da existência divina. Veja a discussão em Micah Goodman, Maimonides e o livro que mudou o judaísmo: Segredos do “Guia para os perplexos” (Philadelphia: JPS, 2015), 8. Assim, mesmo Rambam, o racionalista filosófico letrado do judaísmo, aceita que oA rakia é uma cúpula física no céu, que nos devolve às nossas dificuldades, pois não existe tal cúpula.

[12] Slifkin, Natan. “A criação de Haredim”, o judaísmo racionalista (2012): 9-10

[13] j. Berachot 1: 1:

רב אמר לחים היו שמים ביום הראשון ובשני קרשו רב אמר יהי רקיע יחזק הרקיע יקרש הרקיע יגלד הרקיע ימתח הרקיע
Rav disse: “Os céus estavam líquidos no primeiro dia e no segundo dia eles congelaram”. Rav disse: “’Que o firmamento seja’ – deixe o firmamento se solidificar, deixe o firmamento coagular, deixe o firmamento se espalhar.”

Veja também a posição de R. Isaac sobre o significado de shamayim em Gênesis Rabá (Bereshit 4), que discuto abaixo.

[14] Esta afirmação tem sido feita sobre Rashi em particular. Veja a discussão em Yonatan Kolatch, Mestres da Palavra: Comentário Bíblico Tradicional Judaico do Primeiro ao Décimos Séculos , vol. 2 (Jersey City: Ktav, 2007) 57.

[15] Eu considero estranho que o fato de eu saber sobre o problema com o firmamento tenha me tornado uma pessoa digna de nota. Eu não sei se eu deveria ser um herói ou vilão, mas em 2015 esse conhecimento não era esperado, pelo menos por este orador em particular, para ser de conhecimento comum, nem parecia ser de conhecimento comum para um grupo de ortodoxos pessoas se reuniram de interesse científico em Berieshis .

[16] J. Calvin, Genesis (Grand Rapids: Eerdmans, 1948) 78-79. Essa abordagem continuou em alguns círculos desde então até os tempos modernos. Do século XVIII, por exemplo, A. Clarke, O Antigo Testamento (Nova York: Hunt & Eaton, nd) 1.31. Do século XIX, por exemplo, G. Bush, Notas sobre o livro de Gênesis , (Nova York: Ivison, Phinney, 1860) 33; RS Candlish, Comentário sobre Gênesis (1868; repr. Grand Rapids: Zondervan) 25. Deste século, por exemplo, C. E Keil e E Delitzsch, Comentário Bíblico sobre o Antigo Testamento, O Pentateuco (Grand Rapids: Eerdmans, 1949) 1.52 ; AR Fausset e D. Brown, um comentário sobre o Antigo e o Novo Testamento(Grand Rapids: Eerdmans, 1948) 5; HL Ellison e D. E Payne, “Gênesis”, em The International Bible Commentary (ed. EE Bruce; Grand Rapids: Zondervan, 1979), p. 115.

[17] Comentário a Gênesis 1: 6; cf. Rabi Akiva Eiger, em sua nota para a frase u’vokeya chalonei rakia em Siddur Otzar HaTefillos p. 672, e Maharzav a Midrash Bereishis Rabá 6: 8.Para uma discussão dessas e de outras fontes, veja Natan Slifkin, “O Que o Firmamento É Realmente”, Judaísmo Racionalista (2011).

[18] Ver, por exemplo, o comentário de R. Yudah ben Pazi em j. Berachot 1: 1.

[19] Ver discussão em, EJ Young, Estudos em Gênesis Um (Filadélfia: Presbiteriana e Reformada, 1964), 90 n. 94

[20] A emenda de Albeck conforme a iteração anterior da posição de Rav em Genesis Rabbah(vol. 1, p. 26).

[21] O texto continua por midrashically reinterpretar o verso inteiramente:

רַבִּי אֱלִיעֶזֶר אוֹמֵר רָקִיעַ שֶׁעַל רָאשֵׁי אַרְבַּע הַחַיּוֹת, שֶׁנֶּאֱמַר [יחזקאל א, כב] וּדְמוּת עַל רָאשֵׁי הַחַיָּה רָקִיעַ כְּעֵין הַקֶּרַח הַנּוֹרָא.
O rabino Eliezer diz: “Era o firmamento que fica sobre as quatro criaturas [Ezequiel viu em sua visão da carruagem], como diz (Ezequiel 1:22): ‘Acima das cabeças das criaturas havia uma forma: uma expansão, com um brilho imponente como de cristal ‘”.

Fonte: https://thetorah.com/my-encounter-with-the-firmament/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *