Entenda as diferenças entre a Cosmologia Chinesa e a Européia (Grega)

Para os chineses mais antigos, o que os terraplanistas chamam “domo” era identificado como “guarda-chuva celeste” ou “Céu que guarda-chuva”, impedindo que as “águas de cima” caiam sobre a terra.

Antes do século XVII, a astronomia se desenvolveu de forma diferente na China e na Europa. As semelhanças entre essas duas linhas de desenvolvimento científico são que, primeiro, ambos se concentravam no estudo dos céus (a ordem dos céus como preocupação principal) e, em segundo, ambos lidavam com o calendário, cosmografia (às vezes junto com o estudo dos movimentos dos planetas) e o que hoje chamamos de “astrologia”. Os intelectos nos dois primeiros mundos prestaram grande atenção ao céu e acreditaram que os céus seriam organizados em ordem. Regulando o calendário, desenhando o mapa do céu e investigando os presságios, estão as mesmas tarefas que eles realizaram.

No entanto, os primórdios da astronomia chinesa e grega têm diferenças fundamentais: primeiro, a astronomia grega destacou os movimentos planetários; como as aparentes irregularidades ameaçavam a própria noção de ordem celestial, os gregos procuravam geometrizá-los e, ao fazê-lo, transformavam irregularidades em regularidades. Em contraste, os chineses estavam mais confiantes na ordem inerente dos céus e mais abertos em relação às suas possíveis mensagens para a Terra. As teorias chinesas parecem ter “imposto padrões muito menos rígidos na ordem que esperavam, e sem dúvida ficariam surpresos com a ambição grega de provar as regularidades celestes” (Lloyd, 1999).

Em segundo lugar, os primeiros chineses e gregos desenvolveram modelos muito diferentes do universo: o primeiro principalmente com uma terra plana, céu redondo, corpos celestes livres e cosmos infinito, e o último com uma terra redonda centrada por camadas de céus redondos, corpos celestes ligados e cosmos finitos / céus. Os movimentos dos corpos celestes eram, para os gregos, a consequência da rotação das esferas celestes concêntricas em um eixo comum e, para os chineses, gerados pelo vapor, cada um tendo seu próprio caminho ao redor da Terra (Chen, 1996). Para os antigos cientistas gregos, seu objetivo era fornecer um modelo tempo-espacial do universo para explicar os movimentos aparentes dos corpos celestes – o sol, a lua, os planetas e as estrelas – vistos da terra (Sun, 2000). Em contraste,

Percebendo virtualmente os mesmos fenômenos, por que os chineses e os gregos criaram figuras de mundo fundamentalmente diferentes? Pode, como Needham (1959) comentou, ter algo a ver com o fato de que os chineses pareciam se concentrar na estrela polar (com base em sua observação aguçada para o céu) enquanto os gregos enfatizavam na terra (ou melhor, onde o homem está localizado) e, muito mais tarde, o sol. Além disso, segundo Lloyd (1999), apesar do mesmo assunto das duas investigações, os primeiros chineses e os gregos desenvolveram e apresentaram teorias e conceitos muito diferentes, que estão associados às questões que escolheram estudar e, consequentemente, as respostas que eles escolheu dar a eles.

Na China antiga, três principais teorias da cosmologia podem ser distinguidas.

O Modelo Gai Tian (Cúpula Hemisférica)

O modelo cosmológico chinês mais arcaico, Gai Tian (que se traduz coko “Guarda-Chuva Celeste”), consiste em uma terra plana e um céu parecido com um guarda-chuva, enquanto seu oponente secular, modelo Hun Tian, era apresentado pela analogia de “ovo”. no meio da gema e rodeado de água, enquanto os céus eram como a casca do ovo.

O Modelo Hun Tian (Esfera Celeste)

Deve-se notar que os céus, não importa em qual forma, estavam sempre cheios de Chi (vapor) e acomodou os corpos celestes livremente flutuantes, e, portanto, não tem nada a ver com as conchas celestes sólidas como apresentado na astronomia grega. Para os chineses, os céus e a terra formam um mundo observável e pesquisável, além do qual está o infinito cosmos.

O Modelo Shuen Ye (Infinito)

O terceiro modelo, Shuen Ye, é considerado mais uma noção filosófica do que uma teoria científica. Não discutia as formas da terra e do céu, mas concentrava-se apenas nos objetos em movimento livre no céu e no espaço vazio e sem fronteiras.

Vale notar que a forma da Terra não era problema para nenhum dos primeiros chineses e gregos antes do século XVII, quando os missionários Jesuítas chegaram à China. Para os chineses, a terra sempre fora plana, enquanto os gregos acreditavam que a Terra era esférica. Isto parecia estar, pelo menos no início, associado ao que eles consideravam como forma “ideal”.

Isto é, para os chineses, a palavra traduzida por “plano” ou “quadrado” está associado à virtude muito valorizada de ser justo e robusto, e em contraste, os gregos consideravam a forma esférica como “perfeita”, como é evidente no texto de Platão. No entanto, mais distintivo é que os gregos foram mais longe em busca de provas por meio de experimentos, enquanto os chineses simplesmente mantiveram a premissa da terra plana em sua astronomia (Chu, 1999).

Argumenta-se que a falta de ênfase no “raciocínio” deu origem à paralisação das teorias chinesas. A ciência chinesa é fundamentalmente influenciada pelo modelo de cognição confucionista que tende a usar a experiência pessoal para fazer induções racionais. Como resultado, as teorias científicas chinesas se baseiam na experiência direta e na tecnologia. Os cientistas chineses consideravam suas tarefas como “descobrir” e “seguir” as regras naturais, em vez de “raciocinar” por causa dos limites da compreensão intelectual humana.

Tão tarde quanto na dinastia Qing ( ) (1644-1911), o eminente estudioso Ruan Yuan (ainda reclamava que os astrônomos ocidentais alteraram sucessivamente suas teorias ao explicar fenômenos astronômicos: “As leis estão sempre mudando … não sei onde está a verdadeira razão”. Ele então concluiu que “as leis celestiais são tão profundas e sutis que estão além da capacidade humana”. As teorias devem, portanto, expressar certezas em vez de buscar razões. Só assim as teorias podem “durar para sempre sem erro”.

Consequentemente, os chineses não estabeleceram uma visão estrutural da natureza que requer substancialmente “raciocínio”, tal como adotado na ciência ocidental. Em outras palavras, os chineses não tentaram fazer conexões sistemáticas entre os princípios naturais que as pessoas tinham em mente; eles ”

Resumidamente, as principais características dos antigos modelos chineses do universo podem ser listadas da seguinte maneira:

  1. A frase “os céus e a terra” foi usada para se referir ao seu universo pesquisável, que é um espaço observável baseado na terra; além dos céus há um cosmos infinito desconhecido. Isto é, para os chineses, o universo era de fato infinito, mas eles confinaram seus modelos a um espaço chamado “os céus e a terra”.
  2. A terra é plana.
  3. Os céus são redondos; os corpos celestes estão flutuando, sem conexão com os céus e movendo-se livremente.
  4. Há uma falta de ênfase no raciocínio e, consequentemente, na visão estrutural da natureza.

Estas características, curiosamente, distinguem-se das dos modelos cosmológicos gregos:

  1. O universo é finito, onde “os céus e a terra” estão localizados.
  2. A terra é redonda (esférica).
  3. Os céus são camadas de esferas sólidas; os corpos celestes estão ligados às camadas, respectivamente.
  4. Esforços são feitos para buscar razões e estabelecer uma visão estrutural da natureza.

Fonte: https://www.eduhk.hk/apfslt/v6_issue2/liusc/liusc4.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *