Tartaruga: O mascote milenar da cosmologia da Terra plana

A partir de hoje, toda vez que você ver uma tartaruga, jabuti ou cágado, irá se lembrar da cosmologia bíblica da Terra plana e o domo celeste. Vanessa dos Santos, graduada em Biologia, explica que esses três animais pertencem ao grupo dos répteis e são classificados como quelônios, que têm por característica estarem confinados dentro de uma carapaça.

O jabuti é exclusivamente terrestre. Seu casco é alto e suas patas são cilíndricas, além de apresentarem unhas. Ele se alimenta-se de frutas, verduras e carnes. Os cágados diferenciam-se dos jabutis por serem animais de água doce, entretanto, eles também vivem na terra. Suas patas são dotadas de membranas entre os dedos, que facilitam a natação. Já as tartarugas são geralmente marinhas, embora existam espécies de água doce. Elas só vão a terra para a desova. Suas patas são como remos, facilitando assim a sua natação.

Fonte: https://escolakids.uol.com.br/ciencias/diferencas-entre-tartaruga-jabuti-e-cagado.htm

 

Tartaruga, símbolo da cosmologia bíblica original

Tartarugas, jabutis e cágados estão relacionados com a cosmologia original, bíblica e mais antiga em diferentes partes do mundo. Na Índia, por exemplo, essa tartaruga cósmica é chamada “Kurma” ou “Kurmaraja” e o Shatapatha Brahmana identifica a terra como a parte inferior de seu casco, a atmosfera como seu corpo e a abóbada do céu como sua concha superior. O artigo científico que disponibilizamos para download abaixo, demonstra isso exaustiva e academicamente.

Jabutis, cágados e tartarugas estavam relacionadas a um simbolismo cósmico de antigas culturas em diferentes partes do mundo, com uma concentração de ocorrências no hemisfério norte.

Registros arqueológicos confirmam relatos da tartaruga cósmica na Idade do Bronze na China (Allan 1991) e há algumas pistas de que certas prática medicinais na América do Norte estão ligadas ao simbolismo cósmico da tartaruga, datados de 2.300 antes de Cristo (Kelley e Milone 2005, 208-209, 493).

Grupos da África, Ásia e América do Norte apresentam concepções arcaicas sobre uma tartaruga gigante, que simbolizam a estrutura do mundo (Andrian 1994, 50-51). O animal incorpora cardinalidade, centralidade e axialidade, e ilustra a forma do mundo (Chevalier e Gheerbrant 1996, 1016).

O plastrão (parte de baixo do casco) simboliza a terra plana e quadrada, enquanto a carapaça representa a parte superior do céu. Durante a dinastia Shang (ca. 1600-1046 aC), os chineses criaram modelos de tartarugas, que sempre são decoradas com conjuntos de círculos na carapaça.

Estes podem representar as estrelas no céu (Allan 1991, 107-108). O ar como um terceiro plano do mundo é representado pelo corpo da tartaruga/jabuti entre os dois escudos. Assim, o animal ilustra uma divisão básica do cosmos em dois ou três, e. na Índia ou na China (Kirfel1920, 6, Andrian 1994, 44-45).

Nos antigos mitos chineses, a tartaruga ostenta um mosaico mágico, os quatro pontos cardeais e o centro do mundo, inscrito nas costas (Haudricourt e Needham 1963-66: 161-177, Andrian
1994,43-45, Allan 1991, 107, 173). Idéias semelhantes são conhecidas, por exemplo, pelos Dogon na África (Griaule 1980, 123) ou pelos Balineses (Willis 1994, 303).

Segundo os povos da Ásia e do norte da América, os pés da tartaruga significam as direções ou pontos cardeais. Além disso, as pernas suportam o cosmos nos cantos do mundo. O meio do corpo do animal simboliza o centro do mundo. Os antigos tibetanos disseram que uma vez uma enorme tartaruga caiu sobre suas costas (Hermanns 1955,32). Desde aquela época o animal carrega o mundo no seu plastrão. O lado direito significa leste, o esquerdo o oeste, a cabeça indica o sul, a cauda para o norte e as quatro pernas para todas as direções intermediárias.

 

De onde veio essa ideia?

Respondendo à pergunta “de onde veio essa ideia da tartaruga cósmica?”, Savannah J. Goins afirma que muitas culturas diferentes referem-se à grande tartaruga, como uma estrutura que sustenta o mundo.

Ela conta que, segundo um antigo mito chinês, um deus chamado Gong Gong teve um ataque de fúria e bateu a cabeça contra as montanhas. Infelizmente, aquelas montanhas seguravam o céu, e sem elas a abóbada celeste literalmente despencaria no oceano. Então, a deusa Nuwa veio em socorro do mundo e cortou as pernas da tartaruga gigante e as usou para sustentar o domo do céu.

Uma das razões para a escolha da tartaruga como símbolo cosmológico seria porque representa longevidade e preservação em muitas culturas, devido à sua capacidade de viver uma vida muito longa. Outra razão seria exatamente porque sua anatomia espelha a aparência da terra plana coberta pela abóbada celeste. A parte inferior do casco da tartaruga, chamada plastrão, é geralmente plana, enquanto a carapaça, ou concha superior, é curva como o domo do firmamento.

Embora as idéias chinesa e hindu possam ter se originado e desenvolvido juntas de alguma forma, os mitos sul-americanos relacionados à cosmologia da tartaruga parecem ter surgido separadamente. Mesmo assim, há indícios de que tenha sido também devido à sua forma que lembra a terra plana e o domo celeste, além de sua longevidade.

Em 2012, uma espécie extinta de tartaruga com uma concha excepcionalmente arredondada foi encontrada na região de La Puente, na mina de carvão de Cerrejón, na Colômbia. Com um diâmetro de carapaça de 1,5 metros, esta tartaruga gigante e arredondada pode ter sido o animal que originalmente inspirou a crença na Tartaruga Cósmica nessa parte do mundo.

Fonte: https://www.savannahjgoins.com/single-post/2018/03/20/The-Cosmic-Turtle

 

Tartaruga chata e redonda como a Terra plana

Representação artística de uma Puentemys mushaisaensis viva.

Imagine uma tartaruga com uma carapaça quase circular, achatada, com 1,5 metros de diâmetro. Este seria o aspecto da Puentemys mushaisaensis, uma nova espécie de tartaruga fóssil que viveu na região que é hoje noroeste da América do Sul.

A característica mais peculiar dessa tartaruga redesconerta em 2012 é sua concha extremamente circular, xom tamanho e forma que lembra até um grande pneu de carro ou caminhão.

A descoberta foi feita no Norte da Colômbia, em La Puente, um sítio arqueológico que fica perto da mina de carvão Cerrejón, por uma equipe internacional liderada por Carlos Jaramillo, paleontólogo do Instituto Tropical Smithsonian do Panamá.

O réptil teria uma carapaça muito redonda e um corpo achatado. Esta configuração aumentaria a área do corpo exposta à luz solar, o que seria uma adaptação da tartaruga, que, por ser um réptil, tinha sangue frio.

Fonte: https://www.publico.pt/2012/07/12/ciencia/noticia/descoberto-fossil-de-tartaruga-gigante-1554658

 

Tartarugas, símbolo da cosmologia “céu” e “terra”

Na mitologia indiana, a tartaruga é considerada a primeira criatura viva — o progenitor –, e é igualada à Estrela Polar, que é, por seu alinhamento, relacionada ao eixo da Terra. A concha inferior plana da tartaruga é o plano do mundo terrestre e sua concha superior arredondada é o mundo celestial (a copa do céu).

…Na cultura chinesa, especialmente sob a influência do taoísmo (道教), a tartaruga é o símbolo do céu e da terra, a sua concha comparada com o céu abobadado e a parte inferior do disco achatado da terra.

…No simbolismo chinês, a tartaruga representa o começo da criação, do tempo, da longevidade e da sabedoria. Dizem que a Deusa da Criação – NuKua usou os pés da Tartaruga Cósmica para os “4 Cantos da Terra” e sua concha para a “Abóbada dos Céus”.

Para os nativos americanos, a tartaruga é também um dos seus símbolos mais antigos e sagrados . Eles acreditavam que a América do Norte foi criada nas costas da Grande Mãe, uma tartaruga. O casco da tartaruga parecia uma cúpula e era visto como um símbolo da cúpula do céu — e daí a virtude celestial.

Fonte: https://japanesemythology.wordpress.com/discovery-in-colombia-of-a-prehistoric-1-5-m-giant-turtle-that-had-flourished-after-dinosaurs-died-out/

 

Conclusão

Neste artigo-resumo, o que importa é você saber que, desde os tempos antigos, as tartarugas são consideradas animais misteriosos e simbólicos. Muitas culturas compartilhavam a idéia de que a o formato da terra é como o de uma grande tartaruga, ou que o mundo habitado é uma concha de tartaruga cósmica, saindo da água.

Na China antiga, o simbolismo da tartaruga era parecido. Um deles comparou sua concha com o firmamento e a parte de baixo com o disco plano da terra, de modo que a tartaruga se tornou um símbolo para o próprio universo, para a eternidade, sabedoria e conhecimento.

Fonte: https://thoth-adan.com/blog/bagua-square

 

Download

O mundo inteiro no casco de uma tartaruga (artigo científico em inglês)

The_whole_world_put_between_to_shells_Th

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *