Sabedoria judaica: Rabinos discutiam movimento do Sol sobre a Terra plana

LIÇOES DO TALMUDE

16 de Fevereiro de 2017

A órbita do Sol ao redor da Terra

בבא בתרא כה, א – ב

תניא ר”א אומר עולם לאכסדרה הוא דומה ורוח צפונית אינה מסובבת וכיון שהגיעה חמה אצל קרן מערבית צפונית נכפפת ועולה למעלה מן הרקיע ורבי יהושע אומר עולם לקובה הוא דומה ורוח צפונית מסובבת וכיון שחמה מגעת לקרן מערבית צפונית מקפת וחוזרת אחורי כיפה

O rabino Eliezer ensinou: O mundo é semelhante a uma varanda parcialmente fechada [אכסדרה], [que é fechada em três lados] e o lado norte do mundo não é fechado por uma divisória como as outras direções. Quando chega ao canto noroeste, gira e sobe durante a noite acima do rakia [para o lado leste e não passa pelo lado norte].

Rabino Yehoshua diz: O mundo é semelhante a uma pequena tenda [קובה], [e o lado norte também é fechado] e, quando o sol atinge o canto noroeste, orbita e passa por trás da cúpula.

O movimento mensal da Terra, da Lua e do Sol, de acordo com Moses Hefez,  Melekhet Mahashevet , Veneza, 1710. A partir daqui .

Nesta passagem, o caminho do Sol é descrito e, para entendê-lo, você precisa saber disso. Os rabinos do Talmud acreditavam que a Terra era um disco achatado e que acima do céu havia uma cobertura opaca chamada rakia . Durante o dia, o Sol era visível sob o rakia e, então, à noite, voltava de onde se situava no oeste, para onde voltaria a subir, a leste, viajando sobre o rakia. Algo assim:

De Judá Landa. Torá e Ciência . Ktav 1991. p.

O outro lugar que você vai encontrar o caminho do Sol discutido no Talmud está em Pesachim 94b. Aqui está o texto:

חכמי ישראל אומרים ביום חמה מהלכת למטה מן הרקיע ובלילה למעלה מן הרקיע וחכמי אומות העולם אומרים ביום חמה מהלכת למטה מן הרקיע ובלילה למטה מן הקרקע א”ר ונראין דבריהן מדברינו שביום מעינות צוננין ובלילה רותחין

 Os sábios de Israel dizem que durante o dia o Sol viaja sob o rakia e à noite viaja acima do rakia. E os sábios gentios dizem: durante o dia o Sol viaja sob o rakia e à noite sob a terra. O rabino [Yehudah Hanasi] disse: a visão deles é mais lógica do que a nossa, pois durante o dia as fontes são frias e à noite elas são quentes.

A partir disso, é mais uma vez evidente que, na visão talmúdica, o céu deve ser completamente opaco. Como o Sol passa por cima do céu à noite, não é de maneira alguma visível.

Também de Landa, p63

Não é novidade ressaltar que há muito tempo as pessoas acreditavam que o universo era diferente do que entendemos hoje. Mas a crença dos rabinos do Talmude era padrão até muito recentemente, pelo que quero dizer apenas algumas centenas de anos.

COPÉRNICO E SEUS CRÍTICOS

Quando Nicolau Copérnico (m. 1543) propôs seu universo heliocêntrico, ele o fez por várias razões matemáticas, mas sem nenhuma evidência. A evidência experimental que sustentou sua afirmação não apareceu por mais de trezentos anos, quando em 1838 ocorreu a primeira medida de paralaxe estelar . Sem evidências para apoiar o modelo copernicano, muitos rejeitaram. Por exemplo, o famoso astrônomo dinamarquês Tycho Brahe(1546–1601) rejeitou o modelo copernicano e apresentou um dos seus próprios, no qual todos os planetas orbitavam o sol, que por sua vez os arrastava em torno de uma terra estacionária. Por cerca de cem anos depois de Copérnico, as universidades de Oxford e Cambridge ignoraram inteiramente o modelo heliocêntrico, e o filósofo inglês estadista e membro do parlamento Francis Bacon (1561-1626) rejeitou o modelo copernicano como tendo “demasiados e grandes inconvenientes”. .

GALILEU E A IGREJA CATÓLICA

Galileu publicou sua descoberta dos quatro satélites de Júpiter em Sidereus Nuncius  em 1610. Essa descoberta não provou que Copérnico estivesse correto, mas emprestou uma grande quantidade de evidências corroborativas ao modelo copernicano. Além disso, Galileu notou que Vênus parecia mudar de forma, assim como a Lua, às vezes parecendo quase (mas nunca completamente) cheia, às vezes como um semicírculo, e outras vezes como em forma de foice. A melhor explicação era que Vênus não estava orbitando a Terra, mas que estava de fato orbitando o Sol. E isso acabou sendo aceito também. Mas, como sabemos, as coisas não saíram bem para Galileu.

A Igreja Católica, que até agora havia colocado o livro de Copérnico sobre o seu Índice de Livros Proibidos , também proibiu o trabalho de Galileu, Diálogo sobre os dois principais sistemas mundiais – o livro no qual ele delineou suas provas de que a Terra orbita o sol. As obras do astrônomo Johannes Kepler (d.1630) também foram adicionadas ao Índice .

A EDIÇÃO JESUÍTA DA PRINCIPA DE NEWTON

Em 1687, o modelo copernicano encontrou apoio com a publicação da Principa Mathematica de Newton . Nessa obra, Newton descreveu as leis universais de gravitação e movimento que estavam por trás das observações de Copérnico, Galileu e Kepler. O livro passou por três edições latinas na vida de Newton, e uma edição em inglês foi publicada dois anos após sua morte em 1727. Uma nova edição de três volumes do Principia  foi publicada em Genebra entre 1739 e 1742. Esta edição continha um comentário. em cada uma das proposições do livro por dois frades franciscanos, mas foi notável por outro motivo. Em seu volume final, a “edição jesuíta” continha uma declaração dos frades distanciando-se dos pressupostos heliocêntricos contidos no livro:

Newton, neste terceiro livro, assume a hipótese do movimento da Terra. As proposições do autor não podem ser explicadas senão fazendo a mesma hipótese. Por isso, fomos obrigados a colocar um personagem que não é o nosso. Mas professamos obediência aos decretos promulgados pelos soberanos pontífices contra o movimento da Terra.

Portanto, não foram apenas os rabinos do Talmud que acreditaram que a Terra estava parada. Na verdade, eles acreditavam no que (quase) todos continuavam acreditando por pelo menos mil anos. O sol certamente parece ter girado ao redor da Terra, então eles criaram um modelo do universo em que o fizeram, seja circulando sob a terra à noite, ou ziguezagueando de volta pelo topo da rakia . Nenhum dos modelos se mostrou correto. Mas, acreditando nisso, os rabinos estavam firmemente na maioria.

[Se você quiser mais sobre este assunto, Natan Slifkin tem uma excelente monografia sobre o Caminho do Sol à Noite . Também me disseram que há um excelente livro sobre a recepção judaica do pensamento copernicano .]

Fonte: http://www.talmudology.com/jeremybrownmdgmailcom/2017/2/14/bava-basra-25b-the-suns-orbit-around-the-earth

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *