67 anos após morte de Jack Parsons, NASA admite ter sido fundada por bruxo-cientista e Anticristo-Superstar

O ENGENHEIRO DE FOGUETES E MAGO OCULTISTA JACK PARSONS MORREU HÁ 67 ANOS. PARA QUEM PENSA NA CIÊNCIA COMO ALGO SÉRIO E NEUTRO ESPIRITUALMENTE, PARSONS FOI UMA DAS FIGURAS MAIS SURPREENDENTES PORQUE TRANSITAVA NA INIMAGINÁVEL INTERSEÇÃO ENTRE MAGIA E CIÊNCIA.

A conjunção entre a mente científica e a mente ocultista teve talvez sua última grande manifestação em Jack Parsons. John Whiteside Parsons nasceu em uma família rica mas disfuncional em 1914 e morreu em 1952, em 17 de junho de 67 anos atrás.

Embora por algum tempo a NASA tenha tentado ocultar, Parsons é uma figura-chave no desenvolvimento do programa espacial dos Estados Unidos; literalmente impulsionou a NASA para a Lua com sua invenção de combustível de foguete. Ao mesmo tempo, Parsons se consagrou como membro da ordem oculta, OTO, que tinha entre seus líderes o mágico britânico Aleister Crowley, que de alguma forma serviu como sucessor.

Como Crowley, Parsons é um dos personagens mais estranhos, magnéticos e multifacetados dos últimos cem anos. Aos 13 anos ele já havia invocado Satanás.Aos 21 anos, ele já trabalhava no Laboratório Aeronáutico Guggenheim, em Cal Tech, onde sua pesquisa seria vital para o desenvolvimento de foguetes de combustível sólido.

Como seu professor Therion, Parsons era bissexual e autor de poesias eróticas. Ele atuava sob a proteção do governo dos Estados Unidos e co-fundou o Laboratório de Propulsão a Jato, agora parte da NASA. Uma cratera leva seu nome, de acordo com sua personalidade, no lado escuro da lua.

A coisa mais intrigante da curta vida de Jack Parsons é sua afiliação à religião crowleyana conhecida como “Thelema”. Em 1942, quando tinha apenas 28 anos, foi ungido como líder da sociedade secreta AGAPE, a loja californiana da OTO por Aleister Crowley. Dizem que o jovem Parsons recitava o Hino de Crowley para Pan durante seus testes com foguetes.

Retrato de Jack Parsons, por Majorie Cameron

Em 1946, ele comandou ao lado do escritor de ficção científica e artista L. Ron Hubbard, os Trabalhos de Babalon, uma das mais famosas sessões de mágica cerimonial da história do ocultismo ocidental. Segundo participantes, o objetivo deste ritual mítico era “trazer amor, entendimento e liberdade dionisíacos” e “o contrapeso ou correspondência necessária à manifestação de Hórus”, o que era uma continuação do trabalho de Crowley, que no início do século vaticinou a chegada do Éon de Hórus, o filho brincalhão e livre das restrições de épocas passadas.

Para acelerar a chegada do novo Eon (e propiciar a revelação culminante: o Apocalipse), Parsons usou magia enochiana (a chamada linguagem dos anjos) e usou “sua varinha mágica (pênis) para elevar um vórtice de energia” e, assim, chamar Elemental, a Mulher. Scarlet, central para a teurgia de Crowley, portal sexual para o mundo espiritual.

Ou seja: Parsons realizou uma masturbação ritual enquanto Hubbard recebeu ditados do mundo astral. O trabalho de Babalon valeu a pena, e logo depois a Mulher Escarlate entrou na vida de Parsons, transmigração de Babalon: Majorie Cameron, que mais tarde apareceu no filme de Kenneth Anger, “Pleasure Dome”.

Com Cameron, uma ruiva libidinosa de olhos verdes, como dita o cânon do erotismo esotérico, Parsons decidiu engendrar o “Filho da Lua”, uma espécie de criação luciferiana ou filho mágico, um produto do ambiente e não do herança, o Messias Thelêmico. Parsons considerou o ritual sexual bem-sucedido para a concepção desse filho abstrato de uma nova era.

Parsons foi posteriormente traído por L. Ron Hubbard, o fundador da seita da Cientologia. E morreu em 1952 em uma estranha explosão em seu laboratório; rumores de suicídio e até assassinato, que alguns culpam Howard Hughes.

Robert Antonw Wilson destaca um lado mais secular desse “bruxo nuclear” ou “James Dean do ocultismo”, seu amor pela liberdade, na tradição dos grandes pensadores livres. Sua obra A liberdade é uma espada de dois gumes, é considerada uma obra-prima por Anton Wilson, autor, ele também, de livros memoráveis.

A filosofia de Parsons, como a de Crowley, tira muito de Nietzsche e eleva, como um mantra motor, à vontade. “Desprogramação cultural para o surgimento dessa vontade mágica, que não conhece obstáculos inevitáveis, que penetra na matriz da matéria para germinar as flores iluminadas.”

Embora muitas pessoas rejeitem radicalmente o trabalho de Parsons — ou o de Crowley — sob o filtro de seu assumido satanismo, além do bem e do mal, o trabalho desse ocultista científico veio ao terreno menos percorrido da consciência humana, aventurando-se em dimensões da realidade que causaria para a maioria de nós pânico paralisante.

“Parsons, no estreito escuro, é como Magalhães, um dos grandes exploradores, no seu caso da mente e sua sombra insustentável. Incansável explorador de uma liberdade que não conhece o limite moral.

Fonte: https://pijamasurf.com/2012/06/60-anos-de-la-muerte-de-jack-parsons-brujo-cientifico-y-anticristo-superestrella/

A conexão estranhamente verdadeira entre Cientologia, o Laboratório de Propulsão a Jato e a Feitiçaria Ocultista

Annalee Newitz

Uma das confluências históricas mais estranhas que você pode imaginar ocorreu em Pasadena, Califórnia, na década de 1940. Lá, um jovem sombrio e autodidata de química chamado Jack Parsons acabara de ganhar um monte de dinheiro inventando combustível sólido para foguetes e vendendo-o para os militares. Ele fazia parte de um grupo de pesquisadores obcecados por explosões da CalTech, que fundou o Jet Propulsion Laboratory (JPL), onde recentemente foram feitos os Marcianos Rovers. Ele também era um acólito obcecado por deusas e generoso defensor financeiro do infame líder pagão, Aleister Crowley.

Parsons usou seu dinheiro de contrato de defesa para converter uma antiga mansão em uma casa de grupo cujos moradores incluíam outros pagãos, artistas, cientistas e escritores. Um de seus pensionistas era um carismático autor de ficção científica chamado L. Ron Hubbard, que se tornou o maior inimigo de Parsons, participando de rituais de magia sexual com o cientista de foguetes, dormindo com a namorada e finalmente fugindo com todo o seu dinheiro. Aqui está a verdadeira história de como Scientology e JPL foram ambos concebidos por homens sob a influência mística do feiticeiro Crowley.

Ilustração de Stoudaa

Como muitos empresários de alta tecnologia hoje em dia, Parsons nunca frequentou a faculdade. Ele passou a maior parte de sua adolescência fazendo experimentos no quintal com combustível de foguete, auxiliado por um amigo de infância que mais tarde trabalhou com ele na CalTech. O brilho de Parsons com compostos químicos – e o destemor diante de explosões – o ajudaram a fazer amigos na CalTech, onde se tornou pesquisador na década de 1930. No final da década de 1930, ele ajudou a fundar o JPL, inventou o combustível sólido de foguetes e estava a caminho de se tornar uma estrela internacional da ciência. Ele também se aprofundou em um novo projeto: atingir o nível mais alto na organização mística de Aleister Crowley, o Ordo Templi Orientis (OTO).

Em um fascinante relato da vida de Parson chamado Sex and Rockets: O Mundo Oculto de Jack Parsons, John Carter relata como Parsons alegou ter chamado Satanás quando ele tinha 13 anos, no final da década de 1920. Essa experiência, que o cientista descreveu como aterrorizante, foi o começo de um interesse ao longo da vida pelo ocultismo – um interesse que se tornou uma paixão ardente quando ele descobriu o trabalho de Crowley (foto). Embora Parsons e Crowley mencionem Satanás em seu trabalho, também não era um “adorador de Satanás”. Eles eram pagãos com um traço profundamente libertário (o slogan místico de Crowley era “faça o que quiser”), que tomavam drogas alucinógenas e acreditavam no amor livre muito antes dos hippies descobertos. Crowley tinha seguidores em todo o mundo, como Parsons, que correspondia com ele, lhe enviaram dinheiro e pediram orientação espiritual. Parsons era o favorito de Crowley, no entanto,

De dia, Parsons ajudou a criar uma das maiores instituições científicas de nosso tempo, a JPL, que criou e manteve dezenas de naves espaciais nos últimos meio século. À noite, porém, ele e seus colegas de casa enlouqueciam os vizinhos (vários relatórios policiais) acendendo grandes fogueiras em seu quintal e dançando em um estado de quase nudez. Eles estavam adorando as entidades favoritas de Crowley. Parsons, por sua vez, preferia deusas.

Magia Sexual

Parsons e sua jovem namorada Betty — com quem ele namorava desde os 15 anos — foram ambos imediatamente afetados por L. Ron Hubbard quando o escritor foi morar com eles. Veterano de guerra que contou histórias loucas e intensificou o espiritualismo de Crowley, Hubbard se tornou o grande aliado de Parson na busca do cientista por encarnar a deusa Babalon na Terra. Babalon seria uma ruiva encantadora, que acabaria por dar à luz o anticristo. Em seu livro sobre Parsons, Carson descreve os rituais conjuntos de Hubbard e Parsons em grande detalhe. Como Babalon era uma entidade sensual, sua criação exigia que Parsons se masturbasse repetidamente, liberando sua semente em um pergaminho enquanto Hubbard cantava rituais e tomava notas. Frequentemente, as próprias anotações de Parson sobre esses rituais mencionam “invocar” com uma “varinha”.

Era mágica, sim, mas também era o futuro fundador da Cientologia se masturbando com o fundador da JPL, a fim de gerar indiretamente o Anticristo. Acho que podemos considerar essa situação incrivelmente perturbada como mais uma prova de que Los Angeles sempre foi um lugar estranho.

Hubbard não estava contente em assistir Parsons invocando a varinha, então ele começou a dormir com Betty. Parsons e Betty sempre tiveram um relacionamento aberto, então isso não foi particularmente chocante para ninguém, muito menos para Parsons. Mas Betty realmente se apaixonou por Hubbard. Os dois eram inseparáveis. Felizmente, a encarnação de Babalon chegou bem a tempo de acalmar qualquer sentimento de ciúme que Parsons pudesse ter. Uma artista ruiva chamada Marjorie Cameron veio visitar sua amiga na casa de Parsons, e Hubbard e Parsons ficaram convencidos de que ela era Babalon. Embora Cameron não estivesse interessada particularmente no paganismo, ela era uma mulher aventureira que gostava da idéia de amor livre. Além disso, Parsons estava quente. Então ela se mudou alegremente e começou a participar dos rituais sexuais de Hubbard e Parson.

Hubbard cantava e invocava os espíritos enquanto Parsons e Cameron faziam sexo. Os homens acreditavam que estavam convocando espíritos e raios com sua incrível potência e feitiçaria, embora Crowley estivesse tão enojado com suas palhaçadas que os chamou de “cabras” em uma carta. Eventualmente, Cameron ficou grávida, mas em vez de gerar Satanás, ela decidiu fazer um aborto.

Existe magia negra na Cientologia?

À medida que o caso de amor de Cameron com Parsons se esgotava, o relacionamento de Hubbard com Betty se aprofundava. O mesmo aconteceu com o fascínio de Hubbard pela OTO. Para aqueles familiarizados com os esboços básicos de Scientology, parecerá bastante semelhante ao da OTO. Para alcançar a iluminação, subimos através de muitos “passos” numéricos no caminho, obtendo acesso a mais segredos e rituais de Crowley à medida que o aprendizado prosseguia. Dar dinheiro a Crowley era uma boa maneira de obter mais de seus segredos, a maioria dos quais envolvia alcançar poder místico sobre o corpo e o mundo físico.

Da mesma forma, os adeptos de Scientology sobem por muitos passos no caminho para atravessar o Vazio e se tornam “claros”, que Hubbard prometeu que os tornariam invulneráveis ​​à doença e capazes de controlar as ações de outras pessoas. Para alcançar “claro”, no entanto, os cientologistas devem dar dinheiro e realizar vários rituais.

Em seu novo livro “Esclarecendo: Cientologia, Hollywood e a Prisão da Crença”, Lawrence Wright explica que a influência de Crowley e da OTO há muito tempo é uma controvérsia dentro de Cientologia. Hubbard escreveu Dianética apenas alguns anos após suas escapadas em Pasadena e fundou a Igreja de Cientologia em meados da década de 1950. Seu filho Nibs disse que a “magia negra” da OTO era o “núcleo interno” de Cientologia, e Hubbard também registrou que Crowley era um “amigo”. Mas os cientologistas dizem que não há relação entre os dois sistemas espirituais.

Ainda assim, é difícil negar que Crowley teve uma forte influência sobre Hubbard, e muitas das armadilhas do sistema da OTO aparecem de forma alterada em Scientology. Você pode dizer que Scientology é a versão de ficção científica do horror sobrenatural que foi a OTO. Portanto, as religiões podem ter gêneros diferentes, mas têm muito em comum.

A explosão final

Depois que a guerra terminou, Parsons começou a lutar com dinheiro. Ele tentou lançar algumas empresas, mas elas afundaram. Seus velhos amigos da CalTech haviam se distanciado, mas seu novo companheiro, Hubbard, ofereceu um raio de esperança. Hubbard sugeriu que ele e Parsons entrassem no negócio juntos vendendo barcos. Ele trabalhou em navios durante a guerra e era um bom capitão; Hubbard e Betty iam à Flórida, compravam alguns navios e os levavam de volta a Los Angeles para que os dois homens os vendessem. Então Parsons deu a Hubbard seus últimos US $ 20 mil e viu seu melhor amigo e namorada sair.

Parece que Hubbard nunca pretendeu cumprir sua promessa, porque assim que chegou à Flórida, ele se tornou inacessível. Semanas se arrastaram e Parsons começou a ficar com raiva. Então ele voou para a Flórida, onde Hubbard e Betty haviam comprado um barco e estavam literalmente saindo do porto quando Parsons chegou. O cientista desprezado e quebrado processou Hubbard e também escreveu que ele estava fazendo feitiços mortais em seu ex-amigo também. Eventualmente, uma tempestade aterrou Hubbard e Betty e ele foi capaz de alcançá-los. Parsons acabou retirando as acusações – provavelmente porque Betty ameaçou expor seu relacionamento não convencional com ele – e o casal nunca devolveu seu dinheiro a Parsons.

Em 1952, apenas dois anos depois que Hubbard ganhou fama com a publicação de Dianetics , Parsons morreu enquanto manuseava explosivos em sua varanda da frente. Ele deixou os foguetes construídos no JPL que enviaram seres humanos para a Lua e as sondas que nos levaram a Júpiter, Saturno e fora do envelope do sistema solar. Parsons também é, como seu amigo Hubbard, sobreviveu a um rosnado de teorias da conspiração sobre sua vida e morte.

As conexões intensas forjadas entre Hubbard, Parsons e Crowley podem ser uma casualidade – apenas uma daquelas peculiaridades estranhas da história. Provavelmente, foi um efeito colateral da vida durante um período em que a ciência dos foguetes emergiu da ficção e se tornou realidade. Resumidamente, a fronteira ficou turva entre a física e a imaginação. Talvez não seja de admirar que a mágica estivesse envolvida.

Fonte: https://io9.gizmodo.com/the-strangely-true-connection-between-scientology-the-5978746

SEXO, DROGAS E OCULTISMO: UMA INTRODUÇÃO A JACK PARSONS

ELÍAS MARTÍNEZ

13 DE AGOSTO DE 2015

Jack Parsons morreu em 17 de junho de 1952, depois de literalmente explodir em pedaços por uma explosão que também destruiu seu laboratório – ele conseguiu, no entanto, permanecer consciente após a explosão. Apesar de existirem várias teorias diferentes sobre a causa – variando de um acidente simples a um ritual alquímico obscuro que deu errado a tramas de assassinato organizadas por vários sujeitos – as investigações policiais a registraram como um acidente. Ele tinha 37 anos.

Apesar de sua curta vida, suas realizações foram surpreendentes e seu legado mostra uma imagem dele como um dos lunáticos modernos por excelência. Nascido Marvel Whiteside Parsons em uma família rica e problemática, Parsons era um desajustado do ensino médio que logo encontrou conforto em uma mistura estranha de ficção científica e leituras de mitologia, estudos ocultos e brincadeiras no rock amador. Este foi o ponto de partida e o céu, como diz o velho ditado, era o limite. Bem, talvez não exatamente.

Apesar de um início extremamente promissor como um dos pioneiros no campo da ciência dos foguetes, são suas tendências ocultas que permanecem como seu principal legado histórico. Por volta dos 20 anos, ele foi iniciado no Agape Lodge, um ramo regional do Ordo Templii Orientis de Aleister Crowley. Um intelecto privilegiado e determinado, ele rapidamente subiu nas fileiras e foi considerado “o membro mais valioso da ordem”, segundo o próprio Crowley. Foi durante esse período que ele desenvolveu uma teoria filosófica baseada no princípio Thelemita da Verdadeira Vontade, e o que impedia que os humanos a atingissem: o medo manifestado em diferentes camadas de problemas sociais e emocionais e inseguranças. Nas suas próprias palavras:

“A Vontade deve ser libertada de seus grilhões. O exame cruel e a destruição de tabus, complexos, frustrações, desgostos, medos e repugnâncias hostis à Vontade são essenciais para o progresso.”

Controvertido por suas propensões à devassidão sexual — mesmo dentro da multidão extremamente liberal da OTO — seu mandato como chefe da Loja jogou sua vida em uma espiral caótica de sexo, drogas e obsessões ocultas que eventualmente o deixaram enlouquecido de sua carreira em foguetes. Foi então que ele conheceu L. Ron Hubbard, oficial da marinha de alta patente, escritor de ficção científica e futuro fundador de Cientologia, com quem, ambos perdidos em uma névoa de admiração mútua e amarga rivalidade, ele tentaria realizar o Trabalho de Babalon.

O Trabalho de Babalon era essencialmente uma série de rituais mágicos entrelaçados destinados a conceber um “Filho da Lua”, uma criança espiritual invocada magicamente, que teria que ser redirecionada para um feto humano real e, assim, trazer à tona o espírito de Babalon, a deusa Thelêmica da sexualidade feminina, fertilidade e libertação. A primeira parte do ritual, destinada a encontrar um parceiro sexual adequado, teve um sucesso notável: Marjorie Cameron, artista e futura musa Kenneth Anger, logo se viu correndo para Parsons e foi instantaneamente acolhida.

Enganado por Hubbard, que fugiu com as economias que a Parsons havia investido em um novo empreendimento conjunto, e após uma guerra de acusações legais, difamação da mídia e batalhas mágicas, Parsons logo se viu sem dinheiro e caluniado publicamente; impedido por uma história bem divulgada de envolvimento com a sexualidade oculta, desviante, narcóticos e política marxista, ele foi o centro de muita atenção tanto da polícia quanto do Comitê de Atividades Não-Americanas da Câmara, sobre o qual foi investigado e teve que permanecer antes. Ele se demitiu da OTO (embora permanecesse em contato com Crowley até sua morte) e produziu seu texto definitivo: “Liberdade é uma espada de dois gumes”

“A liberdade é uma espada de dois gumes, da qual uma ponta é a liberdade e a outra, responsabilidade. Ambas as arestas são extremamente afiadas e a arma não é adequada para mãos casuais, covardes ou traiçoeiras. Como todas as tiranias se baseiam em dogmas e como todos os dogmas se baseiam em mentiras, cabe a nós olhar além delas, pois a verdade e a liberdade estarão ambas distantes. E, no entanto, a verdade é que nada sabemos … ”

Dark Angel, uma pintura de Marjorie Cameron, retratando Parsons como o “Anjo da Morte”

Fonte: https://cvltnation.com/sex-drugs-and-the-occult-an-introduction-to-jack-parsons/

Jack Parsons e o verdadeiro “esquadrão suicida”

A história de um cientista feiticeiro

Joshua Hehe

16 de outubro de 2018

Em 2 de outubro de 1914, um garoto chamado Marvel Whiteside Parsons nasceu em Los Angeles, Califórnia. Mais tarde, ele ficou conhecido como John Whiteside “Jack” Parsons.

Jack veio de uma família muito rica. Ele cresceu na Avenida Orange Grove, em Pasadena, também conhecida como “milha milionária”. A rua estava cheia de mansões extravagantes. Mais exatamente, como resultado de sua educação privilegiada e intelecto ousado, Jack tornou-se químico, engenheiro de foguetes e pesquisador de propulsão. Ele até se associou à Caltech e foi um dos principais fundadores do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) e da Aerojet Engineering Corporation.

Jack Parsons também inventou o primeiro propulsor de foguete fundido e composto. Ele foi pioneiro no avanço de foguetes de combustível líquido e combustível sólido. Essa era uma tecnologia de ponta na época.

Jack estava na vanguarda do campo do foguete. Ele até inventou a tecnologia propulsora usada no ônibus espacial e no míssil Minuteman. Claro, o fato é que, além de ter uma inclinação pela física, Jack Parsons também era um ocultista thelemita que era profundamente dedicado a Aleister Crowley e seus ensinamentos. Em 1939, ele foi à Igreja de Thelema, no Winona Boulevard, em Hollywood, e testemunhou uma apresentação cerimonial da Missa Gnóstica.

Pouco tempo depois, Parsons passou a acreditar fortemente no poder da magia. Além disso, ele sentiu que era uma força que poderia ser explicada pela mecânica quântica. De muitas maneiras, Jack era químico durante o dia e alquimista durante a noite. Parsons chegou ao ponto de recitar o “Hino para Pan” antes de cada teste de lançamento de um novo foguete. Ele não fez absolutamente nenhuma distinção entre ser cientista e ocultista.

Na juventude, Jack ficou totalmente fascinado por histórias de poderes sobrenaturais, além de maravilhas científicas. Uma vez ele tentou convocar o diabo em seu próprio quarto. Jack Parsons estava mais do que disposto a vender sua alma a Satanás, a fim de aprender os segredos do universo.

Quando menino, Jack sonhava em um dia construir o primeiro foguete que levaria homens para a Lua. Embora na época, a idéia fosse considerada nada mais que ficção científica espetacular. Naquela época, a maioria das pessoas pensava que a viagem espacial era impossível, mas não Jack. Ele era um pensador visionário radical.

Infelizmente para ele, como resultado de ser um viciado em livros e um pirralho mimado, Parsons era frequentemente intimidado na escola. Ele tinha apenas um amigo, um garoto chamado Edward Forman. Eles compartilharam uma paixão semelhante pela ficção científica de ficção científica, mais Ed defendeu Jack em mais de uma ocasião.

Em 1928, chegaram a adotar o lema latino “per aspera ad astra” (através de dificuldades para as estrelas), altura em que se tornaram foguetistas amadores. Logo marcaram o desfiladeiro de Arroyo Seco com suas experiências perigosamente explosivas.

Foi nessa época que Jack começou a usar cola como agente aglutinante para o pó solto em seus foguetes de bricolage. A paixão obstinada de Jack por construir naves espaciais até o distraiu de fazer seus trabalhos escolares. Então, finalmente, a mãe de Jack decidiu mandá-lo para um colégio militar para ajudá-lo, mas, de maneira típica, Parsons foi expulso por explodir seus banheiros.

Embora sua mãe e seu pai tivessem se divorciado há algum tempo, quando o pai de Jack morreu em 1931, ele e sua mãe basicamente perderam tudo naquele momento. Isso foi ainda mais importante porque Parsons estava na faculdade para estudar física e química na época, mas ele teve que desistir porque eles não podia mais pagar sua mensalidade. No final, ele foi forçado a parar de frequentar a Universidade de Stanford durante a Grande Depressão.

Então, em 1934, Jack se reuniu com seu amigo de infância Ed Forman e um estudante de pós-graduação chamado Frank Malina para formar o Grupo de Pesquisa em Foguetes do Laboratório Aeronáutico Guggenheim, afiliado à Caltech (GALCIT), apoiado pelo presidente Theodore von Karman.

À medida que suas experiências se tornavam cada vez mais perigosas, eles tiveram que se mudar para o deserto, para uma área chamada Barragem do Portão do Diabo. Com o tempo, eles se tornaram conhecidos no campus como o “Esquadrão Suicida”.

Em 1939, o Grupo GALCIT obteve financiamento da Academia Nacional de Ciências para trabalhar no projeto de decolagem assistida por jato (JATO) para as forças armadas dos EUA. Suas experiências com foguetes foram a matéria de capa da edição de agosto de 1940 da Popular Mechanics, que discutia a perspectiva de poder subir acima da atmosfera da Terra e um dia até chegar à Lua.
Então, em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, eles fundaram a Aerojet para desenvolver e vender a tecnologia. Dessa maneira, o Esquadrão Suicida tornou-se JPL em 1943.

Dois anos antes do surgimento do JPL, Jack Parsons e sua esposa Helen Northrup ingressaram no Agape Lodge, o ramo californiano do Thelemita Ordo Templi Orientis (OTO). Então, por proposta de Aleister Crowley, Jack Parsons substituiu Wilfred Talbot Smith como líder em 1942.

Parsons administrava a Loja de sua mansão na Orange Grove Avenue, também conhecida como “Parsonage” em Pasadena. No final, porém, Jack foi expulso do JPL e da Aerojet em 1944 devido à reputação bastante infame da OTO.

Desnecessário será dizer que a comunidade acadêmica não estava feliz em trabalhar com um cientista feiticeiro louco por sexo, viciado em drogas. Eles também estavam realmente cansados ​​da conduta perigosa de Parsons no local de trabalho.

Para piorar as coisas, no ano seguinte, Jack se separou de Helen depois de ter um caso com sua irmã Sara. Então Sara deixou Jack para seu chamado amigo L. Ron Hubbard. Naquela época, Jack realizou o “Babalon Working” para trazer uma encarnação da deusa thelêmica Babalon em sua vida.

Em 1946, Jack saiu para o deserto de Mojave, onde recebeu as setenta e sete cláusulas do que ficou conhecido como seu Livro de Babalon. Então, pouco depois de convocar a “Mulher Ecarlate”, Jack voltou para casa, onde conheceu Marjorie Cameron. Ela imediatamente se tornou sua nova amante.

Depois disso, Hubbard fraudou Parsons de suas economias para começar a Cientologia, e Jack renunciou à OTO. Com o passar do tempo, Jack Parsons tentou manter vivo o sonho de sua infância trabalhando como consultor do programa israelense de foguetes, mas logo foi acusado de espionagem e foi forçado a abandonar sua carreira ao longo da vida.

Então, com apenas 37 anos, o enigmático fundador do Esquadrão Suicida morreu em uma explosão catastrófica em um laboratório doméstico. Na morte mais apropriada para um cientista louco, Jack Parsons saiu com um estrondo.

Fonte: https://medium.com/@joshuashawnmichaelhehe/jack-parsons-and-the-real-suicide-squad-28450f9e0a6

Jack Parsons e as raízes ocultas da JPL

Por Phillip Keane

2 de agosto de 2013

Quase todo mundo nas áreas de engenharia espacial e aeronáutica conhece os nomes de Konstantin Tsiolkovsky, Robert Goddard e Werner Von Braun. Esses homens, sem dúvida, lançaram as bases do desenvolvimento de foguetes que permitiram à humanidade deixar o berço da Terra e dar nossos primeiros pequenos passos no cosmos.

Jack Parsons (créditos: JPL).

Mas muito poucas pessoas conhecem a Marvel Whiteside Parsons (aka Jack Parsons), cofundador da Jet Propulsion Laboratories. Parsons fez grandes contribuições para o desenvolvimento de foguetes, particularmente na área de propulsores de combustíveis sólidos. Os motores sólidos no ônibus espacial e os motores do míssil Minuteman foram baseados na tecnologia de propulsores sólidos que ele inventou. Ele foi um membro fundador da Aerojet Corporation, e ele ainda tem uma cratera no lado escuro da lua em homenagem a ele. Então, por que ele não é tão célebre quanto os outros pais fundadores dos voos espaciais? E o que foi aquilo sobre o ocultismo?

Primeiros anos

Parsons nasceu em Pasadena, em 1914, em uma família rica, mas problemática. Seu pai, Marvel Senior, saiu quando seu filho era jovem, depois de ter um caso com outra mulher, deixando o jovem Marvel Junior sob o comando de sua amada mãe, Ruth. Sua mãe prontamente pediu o divórcio e começou a se referir ao filho, como “John”, que é o nome a que ele se refere pela comunidade científica que trabalhou com ele mais tarde na vida. À medida que crescia, outros membros da família e amigos íntimos se referiam a ele como “Jack”, assim como seus amigos ocultistas em seus últimos anos.

Na 8ª série, Parsons conheceu outro rapaz, chamado Edward Foreman, e os dois se tornaram amigos. Ambos eram fãs de Jules Verne e da nova revista de ficção científica Amazing Stories. Sem dúvida, essas obras de ficção moldaram as mentes de Parsons e Foreman, assim que começaram a experimentar fogos de artifício no quintal de Parsons. Essa necessidade de experimentação aumentou e, em 1928, o par começou a construir seus próprios foguetes sólidos . Os vizinhos da época haviam relatado que o quintal dos Parsons estava cheio de crateras queimadas de alguns dos ensaios de foguete menos bem-sucedidos. Segundo Forman, foi nessa época que Parsons começou a experimentar a cola como um agente de ligação para o pó solto em seus foguetes de bricolage.

Em 1932, ainda no ensino médio, Parsons começou a trabalhar para a Hercules Powder Company. Em 1933, ele se formou no colegial e começou a estudar no Pasadena Junior College, juntamente com Forman. Durante esse período, o par entrou em correspondência por escrito com Robert Goddard, Herman Oberth e Konstantin Tsiolkovsky, mas comentou mais tarde que, devido ao estado da arte da época, nada de valor real podia ser obtido das correspondências. cessou a escrita das cartas.

Parsons e Forman não conseguiram se formar na faculdade. Em vez disso, ambos encontraram emprego na Halifax Explosives, uma empresa sediada no deserto de Mojave.

Em 1935, Parsons se casou com sua namorada do ensino médio, Helen Northrup. O casamento durou alguns anos, mas terminou quando Parsons começou um caso com a meia-irmã de Helen … mas mais sobre isso mais tarde.

Parsons no deserto de Pasadena, ao lado de um protótipo de motor (créditos: JPL).

Cal Tech

Um dia, em 1937, Parsons e Forman assistiram a uma palestra sobre foguetes na Cal Tech, onde conheceram o aluno Frank Melina. Melina era um teórico e matemático, estudando Engenharia Mecânica na época. Os três homens começaram a fazer perguntas no campus de Cal Tech com relação ao estabelecimento de um programa de desenvolvimento de foguetes, mas eram constantemente recusadas oportunidades, pois o foguete ainda era amplamente visto como ficção científica na época.

No entanto, o lendário aerodinâmico Theodore Von Kármán estava trabalhando nos Laboratórios Aeronáuticos Guggenheim do Instituto de Tecnologia da Califórnia (GALCIT) e ouviu os planos do trio. Ele ouviu falar de seus planos para enviar foguetes líquidos e sólidos para a atmosfera e finalmente aprovou sua proposta na forma da proposta de Melina para um doutorado em design de foguetes. Isso abriu as portas para o mundo acadêmico e disponibilizou todos os recursos de Cal Tech e GALCIT para Melina e seus novos amigos.

Não demorou muito tempo para o grupo ter problemas no campus. Um foguete que deu errado forçou o grupo a sair do Laboratório de Aeronáutica e a trabalhar em uma plataforma de concreto longe do edifício principal. Um segundo acidente , uma explosão que causou o impacto de um pedaço de aço na parede, viu Von Kármán mover o grupo para o deserto para evitar mais contratempos e possíveis mortes.

Nesse ponto, o grupo ficou conhecido por outros estudantes como o “Clube do Suicídio” e começou seus experimentos na área de Arroyo Seco, perto da ironicamente denominada “Barragem do Portão do Diabo”, nos limites de Pasadena. O JPL agora está localizado no site exato.

Pesquisa para o exército dos EUA

Então, em 1938, o Exército dos Estados Unidos ofereceu dois projetos de pesquisa, um para degelo do pára-brisa em aeronaves e outro para motores de foguete para lançar aeronaves pequenas. O MIT teve a primeira escolha e, sentindo que a pesquisa em foguetes era um projeto “Buck Rogers”, deixou o desenvolvimento de foguetes para os membros do Suicide Club.

Os primeiros testes dos motores dos foguetes baseavam-se em combustível em pó, mas, devido ao conteúdo das caixas, os foguetes eram instáveis. Parsons, que já havia desenvolvido uma paixão pela mitologia, estava assistindo a um carpinteiro aplicando asfalto quente no topo de um prédio, e foi lembrado da arma incendiária do “fogo grego”, usado pelo antigo império bizantino.

Voltando às suas experiências anteriores usando agentes aglutinantes, Parsons decidiu misturar parte dessa substância quente semelhante ao alcatrão com perclorato de potássio em pó. Após várias experiências, foi demonstrado que esse agente ligante forneceu uma queima limpa e uniforme, e poderia permitir que os recipientes fossem armazenados com segurança, sem que o conteúdo se depositasse.

Os militares viram o potencial para essa vasilha “JATO”, abreviação de “Jet Assisted Take Off”, e injetaram uma pequena quantia de dinheiro no grupo para desenvolvimento adicional. O combustível sólido do foguete se tornaria a base do míssil Minuteman, o foguete Titan e o foguete sólido do Ônibus Espacial, e ajudaria a empurrar a humanidade para o sistema solar … mas não antes de alguns “olharem para o abismo” de Parsons.

Primeiro voo do JATO (Créditos: NASA).

A influência de Crowley

Em 1939, Parsons se familiarizou com as obras do ocultista inglês Aleister Crowley, que se referia a si mesmo como “A Grande Besta 666”, e foi mencionado pela mídia inglesa como o “homem mais perverso do mundo”.

Crowley foi o fundador da religião Thelêmico cujos praticantes vivido pelo lema “faça o que tu queres.” Ele tinha anteriormente teve algum sucesso como um alpinista, tendo K2 dimensionado e Kanchenjunga, a 2 ª e 3 rd montanhas mais altas do mundo, respectivamente. Durante a expedição de Kanchenjunga em 1905, os colegas montanhistas de Crowley foram vítimas de uma avalanche. Eles pediram ajuda a Crowley e, em vez de ajudar seus camaradas moribundos, ele fez o que qualquer bom inglês faria… ele levantou os pés e fez uma xícara de chá. Ele então se sentou e os viu morrer na montanha, depois alegando que não tinha “simpatia” por seus companheiros.

Posteriormente, em 1910, viciado em misticismo e devassidão, Crowley foi admitido em outra sociedade secreta, desta vez em um grupo conhecido como Ordo Templi Orientis, ou OTO Crowley rapidamente subiu nas fileiras da OTO e se tornou líder das fraternidades de língua inglesa . Embora a OTO tenha sido originalmente modelada nos princípios da Maçonaria, com Crowley no comando, ela rapidamente se reinventou com as crenças da religião thelêmica em seu núcleo, juntamente com suas idéias de amor livre, devassidão e “Magia Sexual”.

Avanço rápido de 1939 … Parsons e sua esposa Helen ingressaram no capítulo Pasadena da OTO, conhecido como Agape Lodge, liderado por Wilfred Smith. Ele começou a correspondência com Crowley e rapidamente se tornou o representante americano de Crowley na OTO

Parsons perseguiu seus interesses ocultos e científicos com igual intensidade. Ele comprou uma casa grande na South Orange Grove Avenue, Pasadena, e criou uma comuna, convidando atores, atrizes, poetas e escritores (incluindo o mestre de ficção científica Robert Heinlein e, finalmente, o menor de ficção científica L. Ron Hubbard) a participar suas festas loucas. Ele apelidou a casa de “Parsonage”.

A polícia era visitante frequente do Parsonage, recebendo relatos de mulheres grávidas nuas dançando no fogo, no jardim, música alta e consumo de substâncias ilegais. Parsons sempre os cumprimentava na porta e assegurava aos oficiais que ele era um respeitável cientista da Cal Tech, e, portanto, não tinham motivo para alarme, por isso deixaram devidamente ele e sua comitiva em paz.

No trabalho, Parsons estava se destacando no desenvolvimento de foguetes e misturando seu ocultismo recém-descoberto com suas práticas de trabalho, dançando e cantando “Hymn to Pan” de Crowley antes do lançamento de todos os foguetes de teste . Ninguém pisou nas pálpebras na época, e Von Kármán, que acabara de arranjar financiamento do governo para o “Projeto GALCIT Rocket”, o considerava uma “bola de rosca deliciosa”.

Em 1941, o Esquadrão Suicida havia demonstrado a funcionalidade do cartucho JATO para as forças armadas dos EUA amarrando um dos reforços a uma pequena aeronave e acendendo-a. O impulso resultante gerado pelo foguete permitiu que a aeronave decolasse na metade da distância normalmente necessária.

Os militares ficaram impressionados e o financiamento para o grupo passou pelo teto. A Força Aérea dos EUA (USAF) fez um grande pedido e, em 1942, a Aerojet Engineering Corporation foi fundada para atender às demandas de produção.

Aleister Crowley: Fatos divertidos

Aleister Crowley, parecendo bastante mal. (Imagem de domínio público).

Aos 14 anos, Crowley perdeu a virgindade com a empregada da família, na cama da mãe. A família dele descobriu e a demitiu. Tornou-se um bêbado destituído e havia rumores de que mais tarde se tornou vítima de Jack, o Estripador.

Aos 23 anos, ele ingressou na sociedade mística, A Ordem Hermética da Aurora Dourada. Ele começou a ofender a todos na ordem, incluindo o poeta WB Yeats, e foi expulso por comportamento “desviante e homossexual”.

Crowley e uma de suas concubinas estabeleceram uma abadia na ilha de Cefalù, na Sicília. Aqui eles praticavam uma ampla gama de rituais, incluindo fornicação com uma cabra. O principal político da época, Benito Mussolini, soube dessas práticas e fechou a abadia.

Em 1930, Crowley fingiu sua própria morte enquanto escalava uma formação rochosa em Portugal. Ele gostou das histórias impressas nos jornais da época e depois reapareceu em público em Berlim, três semanas depois.

O nascimento do JPL

Em 1943, vendo o verdadeiro valor do Projeto GALCIT de Foguetes, os militares assumiram as operações e mudaram o nome para “Laboratório de Propulsão a Jato”. Apesar de não estarem pesquisando motores a jato, o conceito de foguete ainda continha um certo estigma, portanto, o nome alternativo foi selecionado e permanece até hoje.

Enquanto estava sob controle militar, o JPL desenvolveu vários sistemas de implantação de armas com base na tecnologia de combustível líquido e sólido desenvolvida por Parsons e seu grupo, um dos quais era o foguete do WAC Corporal. Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, os militares amarraram um deles ao topo de um foguete V-2 e alcançaram uma altitude de mais de 70 quilômetros, tornando-se o primeiro foguete americano a sair da atmosfera da Terra.

Conheça Ron Hubbard

Durante o curso da guerra, os poderes preocupados com a reputação de Jack como hedonista o convenceram a vender suas ações da Aerojet. Parsons aceitou o pagamento e usou o dinheiro para dedicar seu tempo ao cumprimento de sua vida espiritual, que envolveu amplamente mais partidos, sexo e outras deboches. Também antes do fim da guerra, Parsons começou um caso com Sara “Betty” Northrup, a meia-irmã da esposa, Helen. Helen decidiu retribuir o favor fugindo com o chefe da OTO, Wilfred Smith.

Agora, sem a interferência de Smith, Parsons tornou-se chefe da OTO de Pasadena e começou o que pode ser descrito como um “relacionamento aberto” com Sara Northrup.

L Ron Hubbard em 1950, do arquivo de fotos do Los Angeles Times (domínio público)

Em agosto de 1945, Parsons foi apresentado a um ex-funcionário da Marinha e escritor de ficção pulp com o nome de Lafayette Ronald Hubbard. Parsons foi absorvido pelo carisma de Hubbard e o viu como um igual em seu círculo mágico. Escrevendo para Crowley, Parsons disse sobre Hubbard: “Deduzi que ele está em contato direto com alguma inteligência superior. Ele é a pessoa mais thelêmica que eu já conheci e está de acordo com nossos próprios princípios. ”Nessa base, Hubbard foi convidado a permanecer no presbitério e logo foi iniciado nos segredos da OTO.

Crowley não ficou impressionado. O homem mais perverso do mundo viu L. Ron Hubbard como um charlatão e um fraudador. Embora Crowley fosse claramente um indivíduo deformado, ele certamente não era bobo, e a história confirmou em grande parte que Hubbard era realmente um dos maiores fraudadores do século passado. Infelizmente para Parsons, ele não acreditou em Crowley e convidou Hubbard para sua vida como seu parceiro mágico.

Parte do sistema de crenças thelêmicas envolvia adoração a deusas, e uma deusa em particular, chamada Babalon, também conhecida como “A Mulher Escarlate”. Crowley e Parsons acreditavam que era possível convocar o espírito elementar de Babalon em uma forma humana através do uso de magia sexual. Crowley se referiu a essa prole elementar como um “filho da lua”.

De janeiro a março de 1946, Parsons iniciou uma série de rituais mágicos com a ajuda de Hubbard, conhecida como “Trabalho em Babalon”. Assim que o primeiro conjunto de rituais foi concluído, Parsons encontrou uma mulher comprando o nome de Marjorie Cameron. Marjorie era de espírito livre e se mudara para Pasadena depois de receber uma honrosa dispensa da Marinha. Parsons imediatamente se apaixonou por ela e seus cabelos ruivos escarlates e viu sua chegada como um sinal de um ritual de sucesso. Em resumo, Parsons acreditava que ele havia chamado Babalon, a Mulher Escarlate.

Problemas financeiros

Depois de gastar a maior parte de suas economias da Aerojet em festas e bons momentos, Parsons de repente se viu sem dinheiro. Felizmente, seu “amigo” Hubbard tinha um brilhante esquema de ganhar dinheiro (claramente não é seu golpe mais famoso, mas eu discordo), que ele estava preparado para compartilhar com Jack. O esquema envolvia comprar barcos e vendê-los com lucro. Hubbard afirmou que ele era um mestre de marinheiro, devido à sua “extensa” experiência naval. Tudo o que Jack precisava fazer era doar US $ 20.000 para Hubbard e esperar enquanto Hubbard pegava um barco da Flórida.

Parsons, sendo a pessoa de confiança que ele era, entregou seu dinheiro devidamente, e Hubbard fugiu para o México … com a esposa de Jack, Sara, e a pilha de dinheiro de Jack.

Logo depois, Hubbard parou de se comunicar com Parsons, e não demorou muito para Parsons perceber que ele havia sido enganado. Segundo Parsons, ele lançou um feitiço, evocando uma tempestade que tomou conta do barco de Hubbard e Sara, forçando-os a desembarcar, onde a lei os esperava.

Após uma batalha legal bastante tumultuada, Parsons recuperou seu dinheiro, mas perdeu sua esposa e o barco. Ele acabou se casando com sua “Mulher Escarlate”, Cameron.

Perda de autorização de segurança

Nos anos seguintes, Parsons se engajou em pequenos trabalhos reparando máquinas de lavar e projetando produtos pirotécnicos para filmes de Hollywood, até conseguir um contrato como pesquisador químico da Hughes Aerospace. A nova posição de autoridade não durou, no entanto, pois em 1950 o FBI começou a investigar Parsons pelo roubo de documentos de Hughes. Investigações revelaram que Parsons planejava trocar os planos de foguetes com o recém-fundado governo israelense, em troca de admissão em Israel.

Marjorie Cameron, Mulher Escarlate de Parsons, A Prostituta de Babalon e mais tarde estrela do filme “Inauguração do Prazeres” (Créditos: Mystic Fire Video).

“Ele planejava enviar [os documentos] com [um] pedido de emprego na American Technion Society para emprego no país de Israel”, dizia o relatório original do FBI.

A Força Aérea dos EUA aconselhou o FBI que a USAF estava monitorando Parsons e seu relacionamento com Crowley e observou que: “Um culto religioso, que defendia a perversão sexual, foi organizado na casa do sujeito na 1003 South Orange Grove Avenue, Pasadena, Califórnia, que foi relatada como subversiva …” Parsons perdeu todos os privilégios com relação à habilitação de segurança.

Agora praticamente sem dinheiro, graças a Hubbard, e com sua autorização de segurança revogada, Parsons voltou-se para a pirotecnia de Hollywood, e é aí que a história da vida de Jack Parsons termina. Em 1950, Hubbard lançou a primeira edição de “Dianética” e introduziu as primeiras sementes do culto ufológico de Scientology ao mundo. O simbolismo da OTO é claro para todos nesta nova “religião”.

Abaixo, uma dramatização impressionante da vida de Jack Parsons, da série Science Channel Dark Matters: Twisted but True:

O legado de Parson: uma linha tênue entre insanidade e genialidade

Parsons morreu em uma misteriosa explosão em 1952, com apenas 37 anos. Ele estava misturando produtos químicos em sua oficina, quando duas explosões foram relatadas. Ele sobreviveu por algum tempo, morrendo de seus ferimentos horas depois. Várias teorias cercaram sua morte, desde assassinatos e espionagem industrial até algum tipo de experimento mágico que deu errado. É mais provável que Parsons tenha ficado descuidado e misturado um pouco demais de um pó em outra solução.

No mesmo dia, ao ouvir a morte de seu filho, a mãe de Parson, Ruth, tirou a própria vida com uma overdose deliberada de Nembutal.

Ao procurar na residência dos Parsons, o investigador policial Donald Harding e George Santmyer, este último amigo íntimo de Parsons, descobriram uma caixa que continha um filme mostrando Parsons e sua mãe Ruth fazendo sexo. Esse foi o prego final no caixão da reputação histórica de Parsons?

De qualquer forma, os trabalhos de Parsons foram sistematicamente eliminados dos trabalhos acadêmicos armazenados na Cal Tech. A princípio, ele se tornou uma nota de rodapé nos documentos técnicos e, com o passar do tempo, as notas de rodapé também desapareceram.

Uma coisa é certa … às vezes há uma linha tênue entre insanidade e genialidade, e Parsons e sua equipe caminhavam nessa linha diariamente.

A comunidade acadêmica conservadora da época pode ter sido rápida em se desassociar dele, mas mesmo Werner Von Braun se referiu a Parsons como o “verdadeiro pai da corrida espacial americana” … e quem somos nós para discutir com Von Braun?

Nota do autor: Embora esse relato dos membros fundadores da JPL possa parecer sensacional, é uma conta histórica totalmente precisa. Para mais informações, confira as referências abaixo.

Fonte: http://www.spacesafetymagazine.com/aerospace-engineering/rocketry/jack-parsons-occult-roots-jpl/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *